A composição da Inteligência de Negócios

Por Diego Elias | 25 de Março de 2014 às 07h45
photo_camera PBI2

Atualmente o mercado tem se deparado com a importância da Inteligência de Negócios (Business Intelligence) para aumentar a competitividade e alavancar os resultados empresariais. Com essa poderosa solução, fica evidente o ganho na velocidade das repostas dentro da organização tanto no nível estratégico, quanto no tático e operacional.

O sucesso requer a contrapartida do investimento aplicado pela gestão nos componentes essenciais de estruturação de um sistema de Business Intelligence (BI). As empresas precisam direcionar os esforços para compra ou contratação das necessidades específicas para uma solução desse porte.

O BI é composto, basicamente, por ferramentas, infraestrutura, profissionais (corpo técnico) e dados. A junção desses componentes é o que permite a criação e manutenção de um sistema de apoio a decisão dentro da organização.

Os dados, como sabemos, são as entradas (inputs) para a geração das informações gerenciais que apoiam a decisão. Esse componente é essencial e fruto dos mais diversos sistemas de informação distribuídos pela organização. A qualidade do dado é importante também, por isso as empresas devem desenvolver ou adquirir seus sistemas internos pensando em padronização (categorização e detalhamento do dado) e na possibilidade de futura aquisição de uma solução BI. Com isso, o custo para se ter um BI efetivo é bem menor e com grande valor agregado.

A infraestrutura é todo o recurso computacional e estrutural envolvido para comportar as necessidades intrínsecas do BI. Sem ela é impossível armazenar, integrar e distribuir as informações aos seus consumidores. Sua existência é o que possibilita o desenvolvimento do BI. É composta por servidores, máquinas, redes, switches, entre outros equipamentos. Apesar de ser essencial, o escopo que a infraestrutura final vai depender muito da grandeza que a solução possuirá e do investimento que a gestão estará disposta a aplicar.

Já a ferramenta é o front-end do BI, ou seja, é o que traduz e converte a complexidade técnica do sistema, possibilitando os cruzamentos nas mais diversas visões, de forma simplificada. Ela é que faz a interface com o usuário e transmite as informações decisivas para toda a organização. Pode representar fator crítico de sucesso do projeto, pois sem intuitividade e apresentação amigável, dificilmente o gestor irá aderir ao produto.

Por fim, e não menos importante, uma solução necessita dos profissionais especializados. Diria que corpo técnico é a variável com o maior destaque no processo de implementação. A expertise, a capacidade técnica e a visão em negócios são diferenciais que fazem dos profissionais de BI serem recursos altamente disputados e valorizados no mercado.

A composição do BI requer pesquisa e estudo do mercado para comprar ou contratar os elementos essenciais de forma assertiva. Análise de custos e benefícios são importantes para encontrar o ponto de equilíbrio financeiro para as aquisições necessárias para a empresa.

Portanto, é importante uma análise detalhada dos componentes disponíveis para avaliar características e funcionalidades que se adequem bem à organização. Com isso as chances de êxito são maximizadas e o retorno sobre o investimento é praticamente garantido.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.