Ant Group: maior IPO da história é adiado na China (mais uma vez)

Ant Group: maior IPO da história é adiado na China (mais uma vez)

Por Rui Maciel | 03 de Novembro de 2020 às 12h10
Divulgação / Ant Group

A Bolsa de Valores de Xangai suspendeu, mais uma vez, a oferta pública inicial de ações (IPO na sigla em inglês) do Ant Group, a gigantesca fintech do grupo Alibaba. A abertura de capital estava prevista para começar nesta quinta-feira (05).

Os principais reguladores financeiros da China, incluindo a Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC), convocaram o fundador do Ant Group Co Ltd, Jack Ma, e dois altos executivos para uma reunião na última segunda-feira (02). Na ocasião, eles foram informados que o lucrativo negócio de empréstimos online da empresa enfrenta um escrutínio governamental mais rígido, segundo informou a agência de notícias Reuters.

O Ant Group relatou recentemente ao CSRC sobre as mudanças significativas no ambiente regulatório. E tais mudanças podem fazer com que a empresa, controladora do Alipay, fique aquém dos requisitos de listagem para divulgação de informações, disse a bolsa de valores de Xangai em um comunicado.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O IPO do Ant Group teve o seu início agendado para a próxima quinta-feira em duas bolsas de valores chinesas simultaneamente: a de Xangai e Hong Kong. Segundo estimativas de analistas, a empresa deve levantar até US$ 37 bilhões em ações, o que tornaria essa oferta pública a maior da história.

A bolsa de valores de Hong Kong se recusou a comentar sobre a suspensão do IPO da Ant Group na bolsa de valores de Xangai. Não foi informado ainda se ela também adiará a oferta pública de ações ou seguirá o cronograma estipulado anteriormente.

Conflito de interesses sob escrutínio

A CSRC investiga um potencial conflito de interesses na listagem de ações da Ant Group. Ela está analisando o papel da Alipay, a plataforma de pagamentos que é o carro-chefe da Ant Group. Ela seria o único canal no qual investidores do varejo poderiam comprar cinco fundos mútuos chineses que investem no IPO. Esse arranjo deixou de lado bancos e corretoras, a rota tradicional para compra dos papeis a partir desses fundos. Mais de 10 milhões de investidores de varejo acumularam dinheiro nos cinco fundos mútuos quando eles foram lançados no final de setembro, destacando a influência de marketing da Alipay.

Sede da Alipay: papel do carro-chefe do Ant Group vem sendo investigado pelo governo chinês (Foto: Wikimedia/ David290)

Em diretrizes que entraram em vigor no dia 1º de outubro, o CSRC afirmou que os distribuidores de fundos mútuos devem evitar conflitos de interesse na venda de produtos relacionados a seus outros negócios existentes e potenciais. Fontes próximas ao caso relataram a Reuters que, no entanto, é improvável que a investigação inviabilize o IPO da Ant Group, embora não esteja claro qual será o resultado das investigações.

Mas o fato é que esse processo já atrasou os planos da Ant Group, já que a empresa esperava obter a aprovação do CSRC no mês passado. Além disso, a empresa já havia estreitado a janela do IPO para antes da eleição presidencial dos Estados Unidos, que acontece nesta terça-feira. E este novo atraso pode gerar incerteza para os mercados globais.

Com a venda de US$ 37 bilhões em papeis, o IPO da Ant Group pode superar a oferta pública inicial da Saudi Aramco, gigante árabe do petróleo, que movimentou US$ 29,4 bilhões em dezembro do ano passado. Hoje, a fintech é considerada a startup mais valiosa do planeta, com valuation estimado em US$ 150 bilhões.

O processo de listagem da fintech do grupo Alibaba foi marcado por sigilo, com a empresa pedindo aos principais banqueiros que assinassem pessoalmente pactos de confidencialidade. Além disso, alguns investidores foram pressionados a explicar por que deveriam ter permissão para participar de reuniões de marketing.

As bolsas e os reguladores examinam os prospectos do IPO e questionam as empresas sobre questões-chave, incluindo finanças, governança corporativa, acionistas e fatores de risco como parte de suas análises.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.