WhatsApp afirma ter banido 400 mil usuários durante as eleições de 2018

Por Fidel Forato | 18 de Novembro de 2019 às 22h40
Tudo sobre

WhatsApp

Saiba tudo sobre WhatsApp

Ver mais

Chega mais um capítulo sobre a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), no Senado Federal, para investigar a veiculação de notícias falsas que supostamente influenciaram o segundo turno das eleições entre o presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o candidato Fernando Haddad (PT).

Nesta segunda (18), o WhatsApp, controlado pelo Facebook, enviou ofício para o senador Angelo Coronel (PSD-BA), presidente da CPMI das Fake News, sobre as atividades dos usuários. Segundo o documento compartilhado pela empresa, entre os dias 15 de agosto e 28 de outubro de 2018, que correspondem ao segundo turno da eleição presidencial, mais de 400 mil contas foram banidas da rede.

Entenda a investigação da CPMI

Inicialmente, o senador Angelo Coronel solicitou “os metadados não criptografados, incluindo número de telefone e nome dos perfis, de todas as contas banidas do aplicativo por suspeita de uso de robôs, disparo em massa de mensagens e disseminação de fake news e discurso de ódio”, durante o período que abrange o segundo turno das eleições de 2018.

No entanto, o WhatsApp alega não ter posse das informações solicitadas disponíveis para o envio, somente possuindo o número total de contas banidas da rede social, que responde aos 400 mil usuários. Isso porque o aplicativo coleta dados limitados de seus usuários, pois conta com criptografia para proteger o conteúdo das mensagens enviadas. Entre o que é coletado, está o armazenamento, por apenas seis meses, de registros de acesso para contas do WhatsApp, associadas a um número de telefone celular registrado no Brasil.

E, entre as informações associadas ao registros de acesso coletadas pela empresa, estão endereços IP, incluindo a data e a hora em que o usuário usou o WhatsApp, a partir de um endereço IP específico, só disponíveis em resposta a ordens judiciais ou instrumentos legais equivalentes. Por isso algumas informações de contas banidas no período estão disponíveis, porque foram solicitadas por alguns Tribunais Eleitorais no Brasil.

WhatsApp reponde Congresso Federal em investigação contra Fake News, durante eleição

Como o sistema baniu as contas?

Em outro ponto levantado pela empresa na carta, o WhatsApp alega não ter acesso ao conteúdo das mensagens compartilhadas proativamente. Segundo o ofício encaminhado: “nossas decisões contra atividades automatizadas e de envio de mensagens em massa são baseadas no comportamento das contas ao invés do conteúdo de mensagens”.

Entre os termos do WhatsApp, estão proibidos o uso de aplicativos ou robôs tanto para o envio massivo de mensagens, quanto para a criação de contas ou grupos de maneiras não autorizadas ou automatizadas. Dessa forma, “ao invés de basear as nossas decisões contra o envio de mensagens automatizadas e em massa em tipos de conteúdo, nós tomamos medidas para evitar abusos ao banir contas que se envolvem em comportamentos prejudiciais que violam nossos”, explica o documento. A partir dessas análises, são banidas cerca de 2 milhões de contas por mês em todo o mundo.

Novas políticas

Além da investigação de comportamentos abusivos em seus usuários, o WhatsApp reafirma seu posicionamento contra a disseminação das fakes news e lembra suas medidas aplicadas para aumentar o controle dos conteúdos divulgados, como o limite de cinco encaminhamentos por mensagem e a identificação especial de matérias encaminhados, por exemplo.

Ainda no documento encaminhado à CPMI das Fakes News, a empresa declara que “nós estamos comprometidos em ajudar a fazer a nossa parte e em trabalhar em colaboração com esta Comissão para garantir que o WhatsApp continue sendo uma força para o bem no Brasil”.

Fonte: Senado Federal

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.