Uber lança sistema de PIN projetado para reduzir casos de agressão sexual

Por Nathan Vieira | 08 de Janeiro de 2020 às 08h30
uber
Tudo sobre

Uber

Saiba tudo sobre Uber

Ver mais

Em novembro do ano passado, a Uber lançou seu primeiro relatório de segurança nos EUA, envolvendo agressões e abusos sexuais. No documento, a empresa contou que recebeu 2.936 denúncias de agressão sexual em 2018, número que aumentou para 3.045 em 2019, embora registrada uma queda de 16% na taxa média de incidentes. Com isso em mente, nesta terça (7), a plataforma de viagens por aplicativo começou a ativar um sistema de PIN, projetado para melhorar a segurança dos passageiros, garantindo que entrem no carro do motorista correto.

A Uber testou o sistema de PIN em sete cidades dos EUA a partir do último mês de dezembro, mas, agora, a funcionalidade está disponível para todos os motoristas nos EUA e Canadá, começando nesta terça (7) e alcançando todos até o final da semana, informou a Uber. Na prática, esse sistema de verificação evita que a viagem ocorra até que o condutor digite um PIN que o passageiro fornece no aplicativo.

Funciona assim: se você estiver usando o sistema, o aplicativo Uber enviará um código PIN de quatro dígitos antes da chegada do motorista. Quando ele chega, o passageiro pode fornecer verbalmente o PIN ao motorista antes de entrar no veículo. Depois que o motorista digita o PIN correto e sua identidade for assegurada, a viagem pode começar.

Segundo o CNET, esse é apenas um dos vários recursos que o Uber está adicionando para solucionar problemas de segurança. Em um relatório de dezembro, a companhia divulgou que chegou a receber 229 denúncias em 2017 e 235 denúncias em 2018. Ao longo de 2017 e 2018, os incidentes relatados ocorreram em 0,00002% das viagens.

"Enfrentar a violência sexual requer honestidade, e é só esclarecendo essas questões que podemos começar a combater algo que atinge todos os cantos da sociedade", disse Tony West, diretor jurídico do Uber, em um post de dezembro sobre o relatório de segurança da empresa. “Embora esses relatos sejam raros, todo relato representa um indivíduo que se apresentou para compartilhar uma experiência intensamente dolorosa”.

Fonte: CNET

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.