Nubank é o app financeiro mais acessado do Brasil, aponta relatório

Por Rui Maciel | 15 de Abril de 2020 às 13h00
Nubank
Tudo sobre

Nubank

Saiba tudo sobre Nubank

Ver mais

Um relatório desenvolvido pela Liftoff, empresa especializada em marketing e retargeting de aplicativos - e feita em parceria com a App Annie - aponta alguns dados interessantes a respeito do mercado de apps financeiros no Brasil. Entre os destaques, está o fato de que o Nubank é o aplicativo de finanças mais acessado do país.

O fato é apontado no Mobile Finance Apps 2020, documento que tem como objetivo analisar o crescimento de aplicativos financeiros (bancos, fintechs e carteiras digitais) no Brasil e no mundo. O que chama a atenção no ranking é que, além da liderança da fintech "roxa", apenas um dos quatro maiores bancos do Brasil integra a relação dos cinco primeiros colocados na categoria de apps financeiros mais acessados: o Nubank chega em primeiro, com o aplicativo do FGTS em segundo, a carteira digital PicPay em terceiro, o app da Caixa Econômica Federal em quarto e o do Mercado Pago em quinto.

Nubank é o app financeiro mais acessado do Brasil

O Nubank se destaca ainda como um dos apps financeiros que mais cresceram em número de downloads no mundo em 2019. O volume de vezes em que ele foi baixado aumentou em 50% no ano passado. Isso coloca a fintech brasileira na 9º colocação entre os aplicativos do gênero que mais tiveram downloads no ano passado. O Postbank BestSign, app de segurança do banco alemão Postbank lidera o ranking, com crescimento de 9.300% desde o seu lançamento, em dezembro de 2018.

O Nubank está entre os apps financeiros mais baixados no mundo em 2019

Familiaridade

Outro ponto do relatório mostra como os brasileiros já são bastante familiarizados com as tecnologias que envolvem o setor. Nós somos o terceiro país do mundo com mais acessos a apps financeiros, atrás somente de China e Índia. Além disso, o volume de acessos a esse tipo de aplicativo aumentou 35% no Brasil durante a pandemia da Covid-19.

O Brasil é o 3º país do mundo que mais acesa apps financeiros

Além disso, com o crescimento do número de fintechs, o acesso a apps financeiros também teve um aumeto considerável. Segundo o levamentamento, no mundo inteiro, consumidores acessaram aplicativos do gênero 1 trilhão de vezes em 2019, o dobro do número registrado em 2017. Além disso, os apps de fintechs registraram crescimento de 20% na base de usuários ativos mensais, contra 15% dos apps de bancos tradicionais.

O tamanho da base de usuários dos 10 principais apps de fintechs, definido com base no número de usuários ativos mensais (MAU, na sigla em inglês), aumentou 20%, enquanto o aumento foi de 15% para os apps de serviços bancários tradicionais.

Na região APAC, com exceção da China, o público-alvo dos apps de fintechs cresceu pelo menos duas vezes mais rápido que o dos apps de serviços bancários. Vale destacar que a diferença mais drástica foi na Indonésia e no Japão, onde o crescimento no número de usuários de apps de fintechs foi até três vezes maior que o de usuários
de apps de serviços bancários.

A realidade é diferente no Canadá e na Alemanha, onde a diferença no crescimento de apps de fintechs e de serviços bancários é bem menor: os apps de fintechs tiveram um crescimento 1,2x maior.

Aquisição e conversão

A pesquisa da Liftoff também abordou taxas de aquisição e conversão deste tipo de app, mostrando o comportamento nos sistemas operacionais Android e iOS (iPhones). Segundo o relatório, a taxa de instalações de apps financeiros que se converteu em registros (quando o usuário, de fato, passa a utilizar o aplicativo) chegou a 46,2%; já a taxa de conversão de instalações em compras (quando o usuário passar a realizações financeiras dentro do app) foi de 27,2%.

E como o marketshare do Android mundo afora é quase o triplo em comparação ao iOS, o custo médio para adquirir uma instalação na plataforma do Google é 76,9% menor em relação ao iOS. O mesmo acontece no custo para registro, que é 85,9% menor no sistema operacional do robôzinho verde. E para compra a diferença é de 70% entre um e outro.

Por fim, o relatório analisou que os usuários levam, em média, 14 minutos para fazer o registro no app após a instalação e 11h35min para ativar o aplicativo, ou seja, começar de fato, a utilizar os seus recursos.

Para montar o relatório, a Liftoff analisou dados de 117 apps nos 12 mercados mais importantes do mundo entre 1 de janeiro e 31 de dezembro de 2019. Foram 22 bilhões de impressões, 382 milhões de cliques e 7 milhões de instalações.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.