Google Maps inaugura navegação para motos e funções de segurança de trajeto

Por Rafael Arbulu | 27 de Setembro de 2019 às 09h54

A Google anunciou nesta quinta-feira (26) a estreia de novos recursos para o Google Maps. Em evento realizado na cidade de Santos, litoral sul de São Paulo, a empresa exibiu os novos recursos em primeira mão, ressaltando seu funcionamento e o processo de sua inclusão.

A primeira e mais evidente das novidades é a navegação para motocicletas. Tal qual se faz com os automóveis, o usuário que transita sobre duas rodas, ao buscar opções de endereço para partida e chegada, conta agora com uma opção dedicada para o meio de transporte. Segundo André Kowaltowski, gerente de produto do Google Maps, a novidade não é apenas mais uma guia a ser escolhida no app, mas sim uma opção de navegação com suas próprias características.

“A gente sabe que carros e motos trafegam de forma diferenciada”, comenta o gerente. “Pensando em São Paulo, 15% da frota dos veículos da cidade é de motos. Em Santos, esse número sobe para mais de 30%. Por isso, hoje lançamos essa novidade, o Modo Motocicleta, onde mostramos rotas otimizadas e estimativas diferenciadas de tempo. Usamos a IA para separar o fluxo de trânsito em tempo real, o que anda mais rápido ou mais devagar, para identificarmos o que é moto e o que é carro”.

André Kowaltowski, Gerente de Produto do Google Maps (Foto: Rafael Arbulu)

Com base nesses dados, a Google consegue entregar estimativas específicas para cada meio de transporte, tirando proveito das particularidades de cada veículo. “A gente sabe que carros e motos andam de forma diferenciada. Há situações onde o trânsito está engarrafado, com carros totalmente parados, mas as motos continuam se movimentando rapidamente. E há casos onde o fluxo de trânsito é normal e o trajeto torna-se mais rápido com um carro”, aponta André.

Segundo o executivo, esse novo modo ainda consegue traçar rotas com base em normas de trânsito específicas para os motociclistas, distanciando os pilotos de vias onde o tráfego sobre duas rodas é proibido ou quando o limite de velocidade é diferenciado entre os veículos (geralmente, via com duplos limites priorizam maior velocidade nos carros, forçando motos a andarem mais devagar). “Nós conseguimos entregar rotas otimizadas com base no fluxo de trânsito e também com essas restrições".

O modo motocicleta já está disponível no Google Maps graças a uma atualização no aplicativo.

(Captura de Imagem: Rafael Arbulu)

Navegação mais segura

A outra novidade refere-se à segurança de navegação, um modo em que a Google implementou funções que já até eram presentes em outros apps, mas apenas em caráter específico. No caso do Maps, parece haver ênfase maior na proteção do usuário. André explica que, além do que já é de se esperar de algo do gênero — compartilhar a rota com algum amigo, por exemplo —, há também o monitoramento ativo do percurso, em tempo real.

“Chegar ao seu destino da melhor forma também significa chegar lá de forma segura. Esse outro lançamento que estamos fazendo posiciona um botão chamado ‘Viajar com Segurança’ no aplicativo. Com ele, você poderá receber notificações no smartphone caso o motorista — um táxi, app de carona ou mesmo um amigo seu — desvie da rota planejada pelo Google Maps por mais de 500 metros. Você não precisa ficar o tempo todo olhando para o caminho, sentindo-se mais seguro já que o próprio Maps faz isso por você, notificando o usuário”.

O compartilhamento do trajeto com contatos também tem uma densidade um pouco maior. Durante a apresentação, André deu a entender que, na eventualidade do motorista desviar do caminho traçado pelo Maps, o usuário também poderá compartilhar a própria localização, em tempo real, com contatos, de modo que outros possam acompanhar o percurso. “Isso deixa a todos os seus familiares e amigos mais seguros de que você está, por exemplo, chegando em casa em segurança”.

Entretanto, não há qualquer integração entre funções similares dentro do Maps e outros aplicativos. Os apps de carona Uber e 99, por exemplo, contam com recursos similares, mas não há “conversa” entre eles e o Google Maps, segundo o executivo.

(Captura de Imagem: Rafael Arbulu)

O aspecto de inteligência artificial foi bastante enfatizado pela Google durante a apresentação. Questionado pelo Canaltech sobre o seu emprego frente às ações que também competem ao usuário, André ressaltou que os dois pilares são complementares, porém não dependentes:

“Podemos detectar mudanças súbitas de trânsito por meio da inteligência artificial: por exemplo, em nosso monitoramento, percebemos que todos os veículos que chegam em um determinado trecho de uma linha reta, dobram à direita ou à esquerda. Com isso, identificamos o problema naquele trecho e posicionamos algum alerta de interdição naquela parte da via, mesmo sem saber exatamente do que se trata”, explica André. “Posteriormente, algum usuário pode relatar pelo próprio app do que se trata o problema — ele envia uma foto de uma obstrução ou acidente, por exemplo, e as informações se complementam”, ele completa.

Em outras palavras, a parte de inteligência artificial do Google Maps trabalha sinergicamente com o usuário, mas não depende dele relatar qualquer objeto para ter um panorama realista do trânsito.

(Captura de Imagem: Rafael Arbulu)

A chegada das duas novidades também mostra que a Google está atenta às especificidades do mercado em que atua. O Canaltech questionou sobre o ritmo de atualizações e inserções de novos recursos no Maps, ao que André ressaltou que não se trata de uma mera obediência a “ordens de Mountain View [o QG global da Google]”.

“Essa é justamente a minha função [na empresa]: a de olhar para o mercado e convencer o time de produto a lançar ou não um certo produto por aqui — porque também há casos em que nosso estudo indica que um determinado recurso não funcionará no público local. Nós sempre buscamos entender o mercado para lançarmos algo de acordo com ele. Nos casos de hoje, sabemos que a moto é um meio de transporte crescente no Brasil, então faz muito sentido que ele apareça por aqui. Ele não existe, por exemplo, nos EUA e Europa — o país onde inauguramos essa função foi a Índia, seguida do Brasil. O volume do uso de motos na Índia é absurdamente maior do que o de carros, então eles também precisavam disso, assim como nós”.

As novidades do Google Maps já podem ser utilizadas normalmente e até figuraram em nossa lista de recomendações dos apps desta semana.

*O jornalista viajou para Santos a convite da Google.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.