Estudante palestino é barrado nos EUA após conteúdo recebido no WhatsApp

Por Natalie Rosa | 28 de Agosto de 2019 às 15h39
Reprodução: U.S. Customs and Border Protection

Não só o que você posta nas suas redes sociais pode prejudicar a sua entrada nos Estados Unidos, como também o conteúdo recebido de amigos e familiares. Nos últimos meses, a quantidade de pessoas que são banidas na imigração das fronteiras do país vem aumentado consideravelmente, grande parte por causa de mensagens, imagens e vídeos recebidos por terceiros.

O último caso, como relata o TechCrunch, envolveu um Palestino que vivia no Líbano e que seria um calouro na Universidade de Harvard, uma das mais importantes dos Estados Unidos. A sua entrada foi negada depois que os oficiais vasculharam seu smartphone e computador, encontrando problemas nas atividades de seus amigos nas redes sociais. Ele acabou com o visto cancelado e sendo deportado.

A recusa aconteceu após os oficiais visualizarem imagens recebidas em um grupo de seu WhatsApp,mesmo que o estudante negasse ter qualquer conexão com o assunto, alegando ainda que o smartphone salvou a imagem automaticamente.

Imagem: Reprodução

Com base em dados atuais, o órgão de proteção das fronteiras — U.S. Customs & Border Protection — registra cerca de 1,13 milhão de viajantes por avião, navio e terra diariamente, negando a entrada a mais de 760 pessoas. Entre os quesitos usados para definir se alguém deve entrar no país ou não, estão os antecedentes criminais e documentação errada, mas outros fatores indefinidos também podem motivar a negação.

A prática de investigar smartphones dos viajantes, incluindo cidadãos dos Estados Unidos, sem a necessidade de um mandado é bastante criticada, mas acontece com frequência. Somente no ano passado, mais de 30 mil viajantes tiveram seus aparelhos verificados sem suspeitas consideráveis.

Com o governo Trump, uma nova medida pede que estrangeiros que estão solicitando vistos para entrar nos Estados Unidos mostrem também as suas redes sociais. Os mais prejudicados nesta medida são estudantes árabes e mulçumanos, que estão sendo deportados devido aos conteúdos recebidos de seus amigos em mensagens no WhatsApp.

Fonte: TechCrunch

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.