Análise | Alienware AW510K é o melhor teclado para gamer que não quer “firula"

Por Rafael Arbulu | 02 de Janeiro de 2020 às 08h46
(Foto: Matheus Argentoni/Canaltech)
Tudo sobre

Dell

Saiba tudo sobre Dell

Ver mais

Não é o caso hoje, mas a Alienware, a divisão de gaming da Dell, já reinou hegemônica no mercado de acessórios de informática para PC gamers. Nos dias atuais, porém, ela se mantém como uma marca de prestígio na indústria e as pessoas tendem a prestar atenção quando a empresa lança qualquer produto.

A bola da vez fica para o Alienware AW510K, um teclado gamer que a Alienware apresentou durante a Gamescom 2019 e que desembarca no Brasil como parte de uma linha completa de aparelhos (que inclui mouse e headset). O acessório vem para introduzir uma espécie de “meio termo” em relação ao que estamos acostumados com os produtos da empresa por aqui.

Explicando: o AW510K é o que pode ser considerado um modelo introdutório ao universo de periféricos gamers, especialmente útil para quem nunca comprou ou nunca teve o desejo de adquirir um teclado voltado especificamente para a execução de jogos no computador. Ele não é sem fio, não tem conexão Bluetooth, não possui teclas adjacentes incomuns a teclados padronizados e sua mais evidente diferença em relação aos acessórios de fábrica é uma roda que controla o volume do computador.

(Foto: Matheus Argentoni/Canaltech)

Comparado a outros exemplos do setor, como os mais recentes da Razer ou HyperX, o AW510K da Alienware tem consideravelmente menos desempenho. Há uma parcela modesta de memória para atribuição de macros, o que certamente ajuda na sua jogatina, mas ele não grava o perfil do usuário quando este transita entre jogos, revertendo para um posicionamento básico se você sair de um jogo para outro.

Isso dito, digitar nessa belezinha é uma experiência sublime, ainda que bastante alta em volume. A Dell jura que as “teclas flutuantes” do AW510K auxiliam na redução do som de cada uma, mas não é bem o caso: o som ainda é bem alto, mas neste modelo não há aquela sensação de que você está martelando a base do aparelho com os dedos, o que é uma boa pedida. Segundo a fabricante, o AW510K tem ciclo de até 50 milhões de toques, fazendo deste um dos teclados com a vida útil mais interessante do setor.

As teclas flutuantes merecem um ou dois parágrafos à parte: visualmente, o design do teclado é bem atraente – uma característica comum da Alienware em seus periféricos –, e as teclas posicionadas de forma elevada contribuem para intensificar o deleite visual. A retroiluminação programável com 16,8 milhões de cores se destaca com mais evidência do que em seus concorrentes, além de ser ainda mais útil para quem tem o hábito de digitar ou jogar à noite.

Pelo lado ruim, porém, fica a sensibilidade das teclas. Por elas estarem elevadas, leva um bom tempo para devidamente se acostumar ao seu uso e, por cada uma delas responder ao mais leve dos toques, é muito fácil quando, por exemplo, se digita um texto, errar bastante na hora de escrever, fazendo com que você volte atrás em seu trabalho por mais vezes do que teria em um teclado comum.

Agora, você pode pensar “Ok, mas esse é um teclado feito para jogos” e você não estaria errado: o problema é que essa sensibilidade também se ajusta nos games em si e isso pode trazer problemas: em shooters, por exemplo, é comum que diversos comandos sejam assinalados em teclas próximas, a fim de aumentar a precisão e velocidade de reação do jogador durante a partida. Agora imagine que você deseja um comando específico, mas, sem querer, esbarra n’outra tecla e executa justamente a ação inversa. Irritante, no mínimo; perigoso, dependendo do jogo.

Felizmente, esses são os menores problemas do AW510K em termos de usabilidade. O teclado ainda conta com facilidade aprimorada de limpeza (de novo: teclas flutuantes – é fácil colocar uma escovinha de limpeza e remover sujeiras que se alojem debaixo dos botões). E uma conexão USB na cabeça do teclado ainda aumenta em uma a quantidade de entradas disponíveis para o seu uso. Você pode pensar que isso seria só um recursozinho a mais, e de fato o é, mas foi bem legal plugar o headset nela e livrar uma entrada do PC para outra coisa – as conexões não falham nem atrasam em nenhum momento.

Outro ponto positivo: o reconhecimento da Alienware frente ao setor de jogos faz com que o AW510K seja reconhecido pela maior parte das plataformas – ele funcionou maravilhosamente bem no PlayStation 4, por meio da entrada USB. É algo bobo de se pensar: a Sony tem opções de teclado tanto para acoplagem no DualShock 4 como modelos completos para o seu console – e eles mal saem das lojas –, mas é bom ver que a Dell pensou neste produto como um que obedece à diversidade.

(Foto: Matheus Argentoni/Canaltech)

O bolso é onde o AW510K vai encontrar problemas de penetração de mercado: pela loja brasileira da Dell online, a fabricante posiciona o AW510K com valor sugerido de R$ 799,00 (ao fechamento desta análise, ele estava em promoção, saindo por R$ 679,00, mas não se sabe até quando esse preço se manterá). Um Razer Blackwidow Ultimate, que tem mais funções e melhor desempenho, pode ser encontrado na maior parte dos e-commerces brasileiros por R$ 699.00.

De forma geral, o Alienware AW510K é o tipo de periférico para gamers que não querem perder muito tempo com ajustes de teclas programáveis. É uma decisão acertada da Dell mirar nesse tipo de público: outras alternativas com tantos botões para serem usados podem deixar o jogador mais direto relativamente intimidado, então esse modelo da Alienware vem para suprir uma necessidade de velocidade. É literalmente espetar os conectores USB, esperar os drivers e software de instalação aparecerem, e começar a jogar.

Infelizmente, mesmo essa simplicidade exige um pouco de atenção e trabalho por parte do usuário, que não consegue transitar devidamente entre jogos e é forçado a fazer uma reconfiguração mínima sempre que troca de produto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.