Windows Open Source: realidade ou apenas uma piada da Microsoft?

Por Redação | 07.04.2015 às 07:30

Durante a última semana, Mark Russinovich, um dos principais engenheiros da Microsoft, participou de uma sessão de painel de tecnologia no Vale do Silício e disse que "é definitivamente possível" que o Windows se torne uma plataforma de código aberto.

O comentário arrancou aplausos da plateia que, em sua maioria, sequer utilizava o sistema operacional. Mark disse ainda que isso faz parte de uma "nova Microsoft" e que a empresa de Redmond está participando de todas as conversas que se pode imaginar sobre o que fazer com o seu software e serviços.

O engenheiro, que também é CTO do Windows Azure, se recusou a dar mais detalhes acerca do assunto e, apesar de relembrar que a Microsoft transformou o .NET numa plataforma de código aberto há pouco, disse que a empresa "não tem uma longa tradição em open source e por isso essa transformação é um grande aprendizado". Podemos considerar este um comentário bem modesto, uma vez que a Microsoft já contribuiu com mais de 1.000 repositórios no Github, um popular site que serve de repositório para projetos de código aberto para desenvolvedores.

Gordon Kelly, um jornalista de tecnologia freelancer que escreve para sites como Wired, The Next Web, BBC, entre outros, resolveu analisar esse possível movimento da Microsoft para levar seu principal produto – e fonte de receita – para o mundo open source. Ele resumiu o assunto como "uma loucura completa”.

A primeira questão levantada por Gordon é a segurança do sistema. Mesmo sendo uma plataforma fechada, pesquisadores ainda levam tempo para descobrir bugs no Windows. Ao abrir o seu código fonte, a Microsoft estaria liberando o sistema operacional para análises e isso poderia ser um grande problema, já que as maiores falhas geralmente demoram a ser levadas a público para evitar pânico entre os usuários. "Falhas de segurança, bugs e elementos exploráveis seriam descobertos mais rápido do que a Microsoft seria capaz de corrigi-los. Isso poderia arruinar o Windows como uma plataforma viável", explica.

No entanto, se pensarmos no Windows 10, isso pode fazer algum sentido. A nova versão do sistema operacional foi construída em grande parte sob os olhos do público, com a intenção de limpar um pouco a imagem ruim associada ao Windows 8.1. Até agora, a estratégia tem dado certo e muitas pessoas já demonstram uma resposta positivo à versão prévia da plataforma, o que, de alguma forma, pode ajudar a reconquistar sua confiança.

Porém, reformular um sistema operacional é uma tarefa bem diferente de lançar uma versão open source. Para essa segunda opção, a empresa teria que começar tudo do zero. O SO deveria ser estabelecido em código aberto desde o primeiro dia e a Microsoft precisaria aceitar uma quantidade enorme de colaboradores. Isso iria inspirar ainda mais confiança, pois reuniria um exército de programadores que a empresa de Redmond jamais conseguiria por conta própria, além de produzir uma nova plataforma verdadeiramente revolucionária.

Gordon também acredita que é impossível pensar em uma versão open source do Windows 10 ou até mesmo do seu futuro sucessor, mas, depois disso, a Microsoft "poderia atordoar o mundo e anunciar a maior mudança de rumo em sua história de 40 anos".

Realidade ou apenas uma brincadeira?

Após todas essas especulações, ele acredita que tudo pode se resumir a uma simples piada da Microsoft. Mark Russinovich pode apenas ter brincado durante uma conferência onde a grande maioria do público trabalhava com softwares de código aberto. Para isso, ele teria usado nada menos do que o produto fundamental da Microsoft, o Windows.

"Isso não teria acontecido na antiga Microsoft – o que, em poucas palavras, seja talvez a melhor notícia de todas", analisa Gordon, que é bem transparente em relação à sua opinião sobre a forma de liderança de Satya Nadella. "Eu gosto da Microsoft sob o comando de Satya Nadella. É uma empresa que joga com os pontos fortes tradicionais, mas também está preparada para se modernizar".

De qualquer forma, ainda veremos muitas opiniões adversas em relação à declaração do engenheiro da Microsoft. E você, acredita em um possível Windows com código fonte aberto?

Via Forbes