Windows 10: como manter o seu computador ainda mais seguro e protegido

Por Douglas Ciriaco

Não dá para negar que a Microsoft vem empreendendo alguns esforços para tornar o Windows um ambiente mais seguro para os seus usuários. Seja nas limitações do controle de conta ou na inclusão de uma proteção antivírus nativa no sistema, a companhia tem caminhado para dar mais tranquilidade para quem usa seu principal produto.

O Windows 10 dá sequência a algo iniciado no Windows 8 e continua com o Windows Defender como o programa antivírus padrão. Quando foi lançado, este software recebeu inúmeras avaliações positivas da crítica especializada, mas logo os testes começaram a indicar que talvez ele não fosse o sistema de proteção mais robusto à disposição dos usuários.

Assim, manter o Windows Defender como o antivírus de sua preferência não significa por si só que você estará exposto aos males da internet — afinal, há uma série de cuidados que você deve tomar enquanto navega na web para se manter longe de problemas. Porém, combinar recursos de outros programas pode ser bastante eficiente na sua proteção.

Windows Defender é o suficiente?

Se analisarmos os testes de um laboratório independente e conceituado como o AV-Test, o sistema de proteção nativo do Windows tem um desempenho pouco confiável. Entretanto, manter o sistema operacional e o navegador atualizados já são passos bastante valiosos para ajudar a manter tudo seguro.

Além disso, ficar atento à procedência dos arquivos que você baixa e instala em sua máquina, não abarrotar seu navegador com plugins de qualidade duvidosa, manter o firewall ativo e prestar atenção nos links que chegam até você pela web (seja no e-mail ou nas redes sociais) são práticas que afastam muitos riscos.

Tudo isso pode colaborar com o programa antivírus que está instalado em sua máquina. Vale lembrar que nenhum programa será 100% infalível, mas a diferença fica pela capacidade que alguns softwares têm de perceber os problemas e barrá-los antes que algo pior aconteça. O Windows Defender não é o melhor à sua disposição, mas consegue fazer um bom trabalho.

Windows Defender

Windows Defender pode dar conta do recado. (Foto: Reprodução/Wikimedia Commons)

Testes indicam que ele tem eficiência de 100% para detectar malwares conhecidos e 87% de chances de se livrar dos chamados exploits de dia zero — ou seja, um vírus novo e ainda não registrado pela base de dados dos softwares antivírus. Opções pagas, como o Bitdefender, Avira e o Kaspersky, têm desempenho superior ao Windows Defender neste último quesito.

Entretanto, usar o Windows Defender tem seu lado positivo: ele não vai exibir janelas de propaganda tentando convencer você a comprar uma licença paga nem vai vender dados de sua navegação na web para fazer dinheiro, algo que infelizmente acontece com alguns antivírus “100% gratuitos”.

Em suma, para quem faz uso básico do computador, o Windows Defender pode ser o suficiente. Aos usuários hardcore, que se expõem a mais riscos, navegam por locais obscuros da web e baixam programas piratas com cracks, por exemplo, recomenda-se um outro antivírus.

Proteção extra

Apesar de “ser o suficiente” para perfis de uso mais cuidadoso ou moderado, o Windows Defender aceita tranquilamente o reforço de outros aplicativos de segurança. Isto é, recursos que trabalham de maneira mais específica para garantir que você estará sempre protegido.

Antiataques de dia zero

Lembra-se que o antivírus do Windows tem apenas 87% de chances de detectar um exploit de dia zero? Uma das opções mais indicadas para completar sua proteção neste sentido é um programa antiexploit. Estes programas podem funcionar como uma rede de proteção para segurar aquilo que o antivírus deixa passar. Confira algumas dicas.

Malwarebytes Anti-Exploit – É o mais conhecido e conceituado programa gratuito do gênero, com uma interface amigável e uma gama variada de recursos para ajudar você a ficar protegido em tempo real. Ele consegue estender sua proteção ao navegador e mantém tudo sob seu monitoramento de forma discreta e efetiva.

O desempenho do Malwarebyte Anti-Exploit é atestado e comprovado. Recentemente, ele se destacou novamente por identificar ataques de dia zero que aproveitaram uma falha do Flash. E ele fica de olho em tudo, usando quatro camadas de proteção e interrompendo o funcionamento de programas caso eles pareçam suspeitos.

Microsoft EMET – EMET é a sigla em inglês para Kit de Ferramentas Avançado de Experiência de Redução. Em suma, ele tem a mesma função do Malwarebyt Anti-Exploit e pretende funcionar como um apoio para o antivírus. Originalmente desenvolvido para administradores de rede, ele pode ser usado em PCs domésticos sem nenhuma limitação.

Totalmente gratuita, esta solução foi desenvolvida pela Microsoft, mas não tem um visual tão amigável quanto a aplicação da Malwarebytes. Apesar de seguro, ele também não conta com uma variedade tão grande de recursos. De qualquer forma, é uma opção viável e que pode ser levada em conta.

Antimalwares

Optar por um antimalware também pode ser uma solução interessante para incrementar a segurança de sua máquina. Assim como os antiataques de dia zero, este tipo de programa jamais deve ser visto como uma alternativa ao programa antivírus, seja ele qual for. Tudo o que ele faz é servir de ferramenta complementar para vasculhar seu computador em busca de problemas de segurança. Confira algumas boas opções do gênero.

Malwarebyte Anti-Malware – Desenvolvido pela Malwarebytes, este programa é uma das opções mais conhecidas quando se fala em remoção de malwares. Ele trabalha para a remoção das principais pragas digitais conhecidas, entre worms, trojans, rootkits, spywares e muito mais.

É um software completo neste sentido, pois além de remover arquivos e softwares problemáticos, ele pode até mesmo reparar alguns danos causados pelas pragas. É oferecido em uma versão gratuita, mas conta com uma edição paga e ainda mais avançada.

Spybot Search & Destroy – Outra opção bastante conhecida e respeitada quando o assunto é manter o PC livre de malwares, o Spybot Search & Destroy é mais uma ferramenta que vai vasculhar seu computador em busca das pragas digitais.

Um de seus contratempos é o fato de consumir muitos recursos da máquina enquanto trabalha, por isso recomenda-se utilizá-lo sozinho em seu computador. De qualquer maneira, ele encontra vários tipos de malwares e auxilia na manutenção de seu PC e dos seus dados.

ComboFix – Outra dica interessante de software que pode servir de fiel escudeiro para o seu programa antivírus é o ComboFix. Para usá-lo, encerre todos os demais programas e o deixe sozinho vasculhando todos os cantos dos seus discos rígidos em busca de arquivos problemáticos.

Ele é mais simples do que as demais opções citadas aqui, mas não é menos eficiente. Além disso, sua interface passa longe de ser amigável, com tudo funcionando como em um terminal, outra característica que pode afastar muita gente, especialmente os novatos neste setor. De qualquer forma, este é um ótimo software para proteção.

Mais alternativas

Se você não confia muito no sistema de proteção nativo do Windows, pode ainda optar pela instalação de outros programas antivírus. Nesse caso, o mais indicado é ficar de olho nos testes realizados por laboratórios idôneos na hora de fazer a sua escolha, independente de optar por um software pago ou gratuito. Nós já indicamos alguns aplicativos do gênero aqui no Canaltech, então fique de olho.

E não se esqueça de nos dizer qual é o seu antivírus favorito e também quais programas extras você costuma utilizar para incrementar a segurança em sua máquina. Deixe a sua opinião aqui embaixo, na caixa de comentários.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.