Nem gêmeos conseguem enganar ferramenta de reconhecimento facial do Windows 10

Por Redação | 24.08.2015 às 10:02
photo_camera Divulgação

Uma das novidades lançadas junto com o Windows 10 é o Microsoft Hello. Com esta função, você pode fazer login em seu dispositivo por meio de biometria, podendo ser por meio de impressões digitais, leitura de íris ou reconhecimento facial desde que o seu computador tenha suporte para essas tecnologias. Claro que sistemas recentes como esse causam um certo desconforto e até insegurança, mas a Microsoft está empenhada em garantir a segurança dos usuários.

Para comprovar a eficácia do mecanismo, o site The Australian decidiu fazer um teste inusitado: será que o Hello consegue perceber as diferenças entre gêmeos e saber quem, de fato, é o dono do PC?

Realizado nas cidades de Sydney e Melbourne, o experimento chamou seis duplas de irmãos gêmeos idênticos cadastrados no Registro de Gêmeos Australianos (ATR, na sigla em inglês). Nos testes, foi usado o Ultrabook Thinkpad Yoga 14, da Lenovo.

Funcionou assim: primeiro, um gêmeo criou uma conta local usando o serviço de autenticação facial do Windows 10. Depois, foram feitas algumas avaliações para descobrir se o sistema era capaz de reconhecer aquele gêmeo como dono do computador. Uma vez feito todo esse processo, o teste chegou na fase crucial: saber se a plataforma da Microsoft iria diferenciar uma pessoa da outra, mesmo que ambas sejam fisicamente iguais.

O resultado foi surpreendente e bastante preciso, já que nenhum dos pares de gêmeos foi reconhecido pelo Hello. E isso mesmo sob várias tentativas de burlar o sistema, como mudar o penteado dos irmãos, acrescentar óculos, entre outras características. Até tentaram colocar uma foto do gêmeo não cadastrado na frente da câmera, mas também não deu certo porque o programa usa o sensor infravermelho para detectar o valor do objeto que aparece diante da câmera.

"[O Hello] conseguiu identificar a diferença entre nós facilmente. Achei que não daria certo, mas não, foi muito bom e muito fácil", disse Miriam Jeffrey, gêmea de Annabelle Jeffrey.

Gêmeos

As irmãs Isabelle e Natasha Secanski, que passaram pelo teste do Windows Hello. (Foto: The Australian)

Apenas um dos pares de gêmeos conseguiu burlar o sistema, que acabou confundindo as irmãs Isabelle e Natalie Brown, de 11 anos. No entanto, isso não é de todo ruim: apesar de apresentar essa falha, o mecanismo, mesmo estando confuso sobre quem era quem, bloqueou o acesso a ambas por segurança. Logo, nenhuma das duas conseguiu fazer login no computador. Isso acontece porque o sistema exibe uma mensagem de erro automática em casos de dúvida.

A tecnologia usada no Hello é baseada em uma câmera específica chamada RealSense. Criada pela Intel, trata-se da união de três câmeras diferentes, sendo uma comum, outra infravermelha e uma terceira em 3D. De acordo com a Microsoft, o mecanismo tem uma chance de erro menor que uma em 100 mil, por isso consegue ser tão preciso. Além disso, a empresa afirma que as informações biométricas do dono do aparelho não podem ser roubadas e que o uso da tecnologia só funciona no dispositivo em que ela foi configurada.

Pelo jeito, o Windows 10 oferece um dos recursos mais seguros da atualidade quando o assunto é reconhecimento facial, já que nem mesmo gêmeos conseguiram enganar o sistema. O vídeo completo dos testes feitos com os irmãos australianos pode ser assistido logo abaixo.

Fonte: The Australian