Navegadores concorrentes do Edge não serão distribuídos via Windows Store

Por Redação | 10.05.2017 às 12:35

A Microsoft anunciou recentemente o Windows 10 S, uma versão mais enxuta do sistema operacional que tem como principal característica a possibilidade de usar apenas aplicativos disponíveis na Windows Store. Com isso, levanta-se a possibilidade de que quem adotasse esta versão do sistema seria obrigado a utilizar o Edge como navegador. Tal condição foi confirmada nesta quarta-feira (10).

Segundo um relato divulgado pela ZDNet, as políticas da Windows Store impedem que desenvolvedores utilizem a plataforma para disponibilizar seus próprios navegadores para o público. Assim, você jamais vai ver Firefox, Opera, Chrome, Safari ou qualquer outro programa do tipo disponível para download por meio da loja oficial de apps do Windows 10.

Para ser distribuído na loja de apps da Microsoft, os desenvolvedores precisam usar apps UWP em uma sandbox — ou seja, é como se eles emulassem o browser dentro de um ambiente controlado, digamos assim. Além disso, navegadores de outras companhias só são aceitos caso utilizem as mesmas engines de Javascript e HTML que o Edge.

“Aplicativos na Windows Store que navegam na web devem usar os mesmos motores de Javascript e HTML fornecidos pela Windows Plataform”, declarou um porta-voz da Microsoft ao ZDNet. “Todo o conteúdo da Windows Store é certificado pela Microsoft para ajudar a garantir uma experiência de qualidade e manter todos os seus dispositivos seguros. Com esta política, instituída no início deste ano, o navegador escolhido pelo usuário na Store vai garantir as proteções de nossa plataforma Windows”, prosseguiu.

O representante da gigante dos softwares ainda foi enfático ao afirmar que a escolha final continua com o usuário, basta que ele adquira uma licença de uma versão superior do sistema operacional. “Se as pessoas quiserem usar aplicativos de outras lojas e serviços, elas podem mudar para o Windows 10 Pro a qualquer momento”, finalizou.

Medida não é exclusiva

Vale ressaltar que este tipo de limitação não é exclusividade da Microsoft. A Apple também só libera navegadores na App Store caso eles utilizem a engine de renderização própria da Maçã. O ChromeOS também tem suporte apenas para o Chrome, mas a intenção da Google é ampliar as possibilidades ao tornar o sistema compatível com apps do Android.

Enfim, apesar de tudo isso, não deixa de ser um tanto frustrante que a versão mais “acessível” e com foco em educação do Windows 10 traga este tipo de limitação.

Via ZDNet