Microsoft não vai mais detalhar atualizações do Windows 10

Por Redação | 24 de Agosto de 2015 às 11h28

Em mais um capítulo de sua polêmica e bastante criticada política de atualizações do Windows 10, a Microsoft informou que não vai mais detalhar as atualizações lançadas para seu sistema operacional. De acordo com a empresa, apenas updates significativos e que tragam novas funções ou complementos serão explicados por extenso, enquanto a maioria deles virá apenas com descrições genéricas.

É uma novidade negativa, principalmente para usuários avançados que já haviam percebido tal mudança nas primeiras atualizações liberadas para o Windows 10. Acompanhadas apenas da frase “este update inclui melhorias para as funcionalidades”, os utilizadores se viam obrigados a pesquisar online para encontrar mais detalhes sobre o download, disponíveis apenas no site oficial da Microsoft. O que parecia ser uma medida rápida, para resolver problemas, acabou se provando uma nova prática da fabricante.

É mais uma mudança importante na política de atualizações, que, agora, são mandatórias para todos os usuários do Windows 10. Como forma de reduzir a fragmentação do sistema operacional e garantir que todos tenham acesso a novas funções e se vejam livres de problemas, a Microsoft instituiu num sistema mandatório de downloads que não mais permite aos usuários baixar os updates quando quiserem. Todo o processo, agora, acontece automaticamente, e isso vale também para drivers e outros componentes de sistema. Uma praticidade, por um lado, mas uma grande dor de cabeça, por outro.

Casos da segunda hipótese, por exemplo, já começaram a surgir, com usuários reclamando que as mais recentes atualizações do Windows 10 deixaram seus computadores em um loop infinito de reinicialização. Aqui, também foi percebida mais uma mudança – todas as atualizações, quando se referem a um determinado aspecto do sistema, contêm também os updates antigos em si mesmo, de forma a garantir compatibilidade e instalações totais caso, por qualquer motivo, o usuário tenha conseguido “escapar” das instalações anteriores.

Mas enquanto as notas de atualização poderiam dar uma luz aos usuários mais especializados sobre o que exatamente estaria causando falhas, porém, esse processo agora se torna mais complicado. De acordo com especialistas, por exemplo, o update mais recente para a plataforma trouxe mudanças no kernel que não foram relatadas em lugar algum. Felizmente, isso não teria causado nenhum problema, ou pelo menos nada foi identificado até agora. A comunidade passa a depender de si mesma para resolver questões desse tipo.

Sobre questões como essa, a Microsoft lembra que existe uma ferramenta oficial para desinstalação de atualizações que possam estar causando problemas, mas os especialistas argumentam que isso é complicado de ser feito em um computador que não funciona, ou quando não se sabe exatamente qual update causou o problema. Para os desenvolvedores, a política baseada única e exclusivamente na confiança não funciona e o pedido é que a fabricante do Windows a reveja.

Além disso, para os usuários preocupados, a recomendação é o uso de um software que possa acompanhar as mudanças feitas no registro e no sistema de arquivos do Windows 10. Assim, em caso de problemas, é possível pelo menos começar a rastrear a fonte dos problemas.

Fontes: Extreme Tech, InfoWorld