Microsoft lança "Project Cortex", plataforma de colaboração corporativa

Por Felipe Ribeiro | 04 de Dezembro de 2019 às 14h39
Microsoft
Tudo sobre

Microsoft

Saiba tudo sobre Microsoft

Ver mais

A Microsoft tem um novo serviço para ajudar seus clientes a gerenciar e acessar as informações necessárias para realizar seu trabalho. Chamado de Project Cortex, ele é bem parecido com um mecanismo de pesquisa interno, que pode exibir, em tempo real, informações sobre atividades feitas nos apps da gigante de Redmond. Segundo especialistas, o foco da empresa é de combater ainda mais o Slack e o Google.

O Project Cortex é o primeiro serviço novo no pacote de aplicativos de negócios por assinatura da empresa, o Microsoft 365, desde que lançou o aplicativo de bate-papo do Microsoft Teams em 2017. Muito embora a Microsoft já esteja à frente do Slack e do conjunto de ferramentas de colaboração em nuvem do Google, o GSuite, analistas sugerem que a empresa precisa "acelerar seu jogo" em inteligência artificial

"A Microsoft pretende manter sua posição dominante no espaço de colaboração e produtividade com novos recursos que a mantém à frente da concorrência", disse Raul Castanon-Martinez, analista sênior da 451 Research, especialista em colaboração da força de trabalho, em entrevista à Business Insider.

Como funciona?

O Project Cortex coleta todos os dados compartilhados entre as pessoas de uma empresa por meio do Microsoft 365, como arquivos, conversas, gravações de reuniões e vídeos, e informações de fontes externas para depois dividi-los em categorias usando o machine learning em tópicos como clientes, produtos, projetos e políticas.

Depois disso, ele pega todas as informações associadas a um tópico específico e cria o que a Microsoft chama de "cartões de tópicos", que é, basicamente, tudo o que um funcionário precisa saber sobre aquele assunto, como uma lista de especialistas, recursos e outros detalhes sobre ele. Esses cartões aparecem automaticamente quando um usuário está trabalhando em um aplicativo da Microsoft, como Word, Outlook, SharePoint ou Microsoft Teams.

Por exemplo, se dois funcionários estiverem discutindo um projeto no Microsoft Teams, o Project Cortex poderá detectar o tópico e exibir um card com uma lista de todos os que estão trabalhando nele e quaisquer documentos relacionados.

Isso é interessante, porque o sistema vai além de um mecanismo de pesquisa. Ele não apenas aponta os usuários para tópicos específicos, mas ajuda a identificá-los e a encontrar pontos em comum entre eles, além, é claro, do mais importante: exibir todas essas informações em tempo real em qualquer aplicativo da Microsoft.

"Os funcionários precisam de mais aplicativos para realizar seu trabalho, mas o número crescente de apps tem afetado a eficiência das pessoas", disse Castanon-Martinez. "Isso representa uma oportunidade para fornecedores como a Microsoft criarem uma tecnologia assistiva que pode entender como os funcionários interagem com aplicativos e lidam com informações", completa.

Concorrência

Segundo Daniel Newman, analista da Futurum Research, o Project Cortex já faz do Microsoft 365 uma solução mais completa do que o Slack e o GSuite, justamente devido a este modo de operação com compartilhamento em tempo real.

A Microsoft ainda lidera o mercado de produtividade e de colaboração da força de trabalho, mas a concorrência está se intensificando. A gigante de Redmond disse recentemente que o Microsoft Teams atingiu 20 milhões de usuários ativos diários, em comparação com os 12 milhões de usuários ativos diários do Slack. Apesar de ainda estar bem atrás em termos numéricos, o GSuite é o que mais cresce, segundo analistas, por conta do seu trabalho com inteligência artificial.

"A Google construiu diferenciação com base em seus principais pontos fortes, com recursos nativos da nuvem e IA, por isso é importante que a Microsoft intensifique seu jogo de IA", disse Castanon-Martinez.

A Microsoft também enfrenta a concorrência da Box e Dropbox, que, segundo Castanon-Martinez, ganharam "força de mercado significativa" à medida que evoluíram após seu posicionamento inicial como provedores de armazenamento em nuvem.

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.