A evolução do Windows em quase 30 anos de história

Por Redação | 28 de Novembro de 2014 às 17h50

Prestes a comemorar 30 anos de vida, o Windows é o sistema operacional mais amado e odiado de todo o mundo. Presente em quase 90% dos computadores do mundo, o sistema é uma conquista expressiva da Microsoft e mostra que a companhia domina a categoria com bastante folga.

Engana-se, porém, quem acredita que o sistema sempre foi dominante como é hoje. Sua história mostra que ele teve seus altos e baixos e passou por um processo gradual de evolução, que aperfeiçoou suas funcionalidades e recursos. Vamos ver como isso aconteceu ao longo dos tempos:

Windows 1

windows 1

A primeira versão do Windows que chegou ao público foi lançada 1985. O Windows 1 possuía uma interface gráfica em 16-bit e era iniciado através de linhas de comando do MS-DOS.

Comparando-o com os sistemas atuais, o software vinha com pouquíssimas opções de ferramentas, que incluíam um gerenciador de arquivos, Paint, Windows Writer, Bloco de Notas, Calculadora, arquivo de cartões e um relógio para auxiliar em tarefas do cotidiano. Era possível alternar entre os programas disponíveis sem a necessidade de fechá-los.

Além disso, o Windows 1 foi um dos grandes responsáveis pela popularização do mouse, pois trazia uma interface fortemente baseada no uso do acessório. Para que os usuários aprendessem a utilizar o periférico, o sistema contava com um jogo chamado Reversi.

Windows 2

Windows 2

A principal vantagem da segunda versão do sistema em relação a primeira era a possibilidade de sobrepor várias janelas e minimizar e maximizá-las.

Um outro recurso introduzido pelo sistema que está presente até os dias de hoje é o Painel de Controle, que reúne todas as informações referentes à configurações do sistema e facilita a alteração de qualquer preferência. Esta também foi a primeira edição a contar com o famoso processador de texto Word e o software de planilhas eletrônicas Excel.

Windows 3/3.1

windows 3

Este foi o primeiro Windows que exigiu um disco rígido ao invés de disquetes para ser instalado. Lançada em 1990, a terceira versão do sistema registrou a marca de 10 milhões de cópias vendidas em apenas dois anos e foi a primeira a ser considerada uma ameaça ao até então dominante Macintosh da Apple.

O sistema tinha interface com suporte a 256 cores, era multitarefa e possuía design mais atraente e colorido, além de possibilitar a execução de programas MS-DOS de maneira prática e direta.

No ano de 1992, foi lançada a atualização do sistema batizada de Windows 3.1. Juntos, os dois sistemas tornaram o Windows o sistema operacional mais usado do mundo.

Windows 95

Windows 95

Como o nome sugere, esta versão do Windows foi lançada em 1995 e trouxe consigo uma das principais marcas do sistema: o Menu Iniciar. Quem também estreou no sistema foi o Internet Explorer, criado pela Microsoft para competir os saudosos e populares Netscape Navigator e NCSA Mosaic.

O Windows 95 apresentava ambiente 32-bits, barra de ferramentas, suporte a múltiplas tarefas e o revolucionário sistema "Plug and Play", no qual o reconhecimento e instalação de periféricos são realizados automaticamente.

Windows 98

Windows 98/2000/ME

O quinto Windows a chegar ao mercado possuia botões de navegação que permitiam avançar ou voltar no Windows Explorer. Além disso, foi ele o principal responsável pela popularização das conexões USB, que dali em diante começou a se tornar padrão no mercado.

Em termos de software, contava com o Internet Explorer 4, Outlook Express, Windows Address Book, Microsoft Chat e o Netshow Player, que foi substituído pelo Windows Media Player em 1999.

Windows 2000

Windows 2000

Lançado em fevereiro de 2000, era baseado no sistema orientado para negócios da Microsoft, o Windos NT. Graças a sua estabilidade, acabou se tornando a base para a criação do Windows XP. Com poucas novidades em termos de software e recursos em relação ao Windows 98, foi o primeiro a oferecer suporte à hibernação.

Windows ME

Windows ME

O Windows Millennium Edition foi lançado poucos meses após a chegada do Windows 2000 como uma espécie de comemoração à virada do milênio. Especialistas dizem até hoje que ele foi feito nas coxas e por isso se tornou a pior versão do sistema que se tem notícia.

Problemas de instabilidade, incompatibilidade de hardware e bugs marcaram o sistema e o precedem até os dias de hoje.

Fora os problemas, são dignos de nota os fatos de que foi esta a última versão baseada no MS-DOS e a responsável por introduzir ferramentas de execução de rotinas automatizadas, como a recuperação do sistema. Veio com o Internet Explorer 5.5, Windows Media Player 7 e o editor de vídeos Windows Movie Maker.

Windows XP

Windows XP

A versão mais duradoura do Windows e que conseguiu reunir sistemas operacionais empresariais e pessoais em um só produto foi lançada em 2001.

Da mesma forma que o Windows 2000, o XP também era baseado no Windows NT, mas trazia uma interface toda repaginada, o conhecido botão verde do Menu Iniciar e o famoso plano de fundo das colinas.

Foi a primeira versão do Windows a contar com gravação de CD embutida, auto play de discos e outras mídias e ferramentas automatizadas de atualização e recuperação. Além tudo isso, vinha com o recurso ClearType, que possibilitava uma leitura mais confortável em telas LCD.

O Windows XP foi a mais popular de todas as versões do sistema operacional, mas isso não trouxe apenas vantagens. Graças ao grande número de usuários, o sistema foi (e ainda é) o mais visado pelos hackers, que estão sempre em busca de falhas de segurança para atacar os incautos.

Windows Vista

windows vista

O sucessor do Windows XP foi lançado em 2007 e trouxe consigo uma grande modificação em termos de design, com a introdução de janelas transparentes e curvas mais sutis.

Apesar de bonito, o Vista não foi bem aceito pelo público por dois motivos principais. O primeiro é a tecnologia "User Account Control", que solicitava permissões para aplicativos em excesso e irritou os usuários. Para completar, os requisitos de funcionamento exigidos pelo sistema nunca condisseram com a realidade e ele nunca rodou de maneira satisfatória, não importando a configuração do computador.

Windows 7

windows 7

Lançado em 2009, o Windows 7 teve o claro objetivo de resolver os problemas do Windows Vista e muita gente afirma que o 7 é aquilo que o Vista deveria ter sido. A Microsoft conseguiu implantar melhorias importantes no sistema, que conferiram velocidade e estabilidade sem precedentes. Algumas alterações visuais também foram feitas e os pedidos de autorização foram equilibrados de maneira a não frustrar os usuários.

Além das melhorias, o sistema trouxe o reconhecimento de escrita e o redimensionamento automático de janelas.

Windows 8/8.1

windows 8

Lançado em 2012, o Windows 8 representou a mudança mais drástica realizada pela Microsoft em seu sistema operacional em termos de interface. Ele foi todo otimizado para a tecnologia touch e o botão do Menu Iniciar sumiu.

A nova organização em blocos coloridos, botões grandes e widgets que mostravam informações atualizadas em tempo real foi uma tentativa da Microsoft criar um sistema operacional único, que funcionasse tanto em desktops quanto em dispositivos móveis. A ideia, no entanto, não foi bem aceita.

Um ano depois, em 2013, a companhia liberou o Windows 8.1, que devolveu o botão Iniciar - mas não o menu - e possibilitava a inicialização direta na área de trabalho, tornando a utilização um pouco mais prática em computadores de mesa.

Windows 10

Windows 10

Anunciada em setembro, a nova versão do Windows representa o retorno do foco da empresa aos desktops, mesmo sem dispensar totalmente a utilização do sistema em dispositivos móveis. O Windows 10 trará de volta o Menu Iniciar e será possível alternar entre um modo tradicional de trabalho - para usuários de PCs tradicionais - e outro para tablets e computadores híbridos compatíveis com telas sensíveis ao toque.

É importante lembrar que o objetivo do Windows 10 é unificar a plataforma em todos os tipos de dispositivos, apesar do enfoque especial nos desktops. Existem aplicativos para a nova versão do sistema operacional que são multi-dispositivo e que já podem ser baixados na Windows Store.

Com a baixíssima aceitação do Windows 8 - muitos usuários ainda permanecem utilizando o Windows 7 e até o XP -, a Microsoft percebeu que é necessário manter seu público cativo de usuários de PCs tradicionais e isso só pode ser feito se as tentativas de unificação de sistema forem pensadas também para esses dispositivos e para manter a praticidade na utilização do teclado e do mouse.

O novo Windows promete conquistar - e reconquistar - os usuários de todas as plataformas, compensando a rejeição da última versão e se tornando para o 8 o que o 7 foi para o Vista. Agora é esperar para ver se isso se concretizará ou não.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.