Depois de anos de glória, o Windows tem visto seu monopólio no mercado cair

Por Redação | 18.07.2013 às 14:33
photo_camera Ice Desk

Há dez anos, qualquer produtora de soluções em computação tinha um grande desafio pela frente para se consolidar no mercado. Nessa época, o Windows, da Microsoft, era a plataforma para computadores mais usada no mundo, praticamente monopolizando o mundo dos sistemas operacionais. Mas em vez de adotar o Windows, empresas como Apple lançaram concorrentes de peso como o OS X e foram seguidas por outras como o Google, fazendo com que o império antes pertencente ao Windows começasse a ruir. Isso sem contar o Linux, que começou a ter força no mercado na última década.

O Business Insider publicou nesta quarta-feira (17) três gráficos, dois de sua própria autoria e um da Asymco, que mostram o começo do declínio do império do Windows a partir de 2009. No começo de 2009, o número de PCs com Windows distribuídos no mundo todo atingiu seu pico e começou a cair com o crescimento do mercado de smartphones e tablets.

O gráfico da Asymco traz dados interessantes, mostrando que a redução do embarque de PCs com Windows coincidiu com o lançamento mundial do iPad, em 2010, atingindo picos negativos de 10%, logo após a Apple ter apresentado ao mundo o seu tablet.

Gráficos declínio Windows

Reprodução: Business Insider

Já os gráficos produzidos pelo Business Insider mostram como os PCs passaram de principais recursos de computação na vida de milhares de pessoas para um produto que recebe menos atualizações, ou seja, os usuários renovam e compram menos modelos novos de PCs do que smartphones e tablets. O declínio dos computadores pessoais com Windows tem sido de extrema importância para o crescimento das plataformas móveis iOS e Android, que é o sistema operacional adotado pelas principais fabricantes de gadgets, como Samsung, LG, HTC e Sony.

Gráficos declínio Windows
Gráficos declínio Windows

Fotos: Reprodução: Business Insider

De maneira geral, os gráficos mostram o declínio de uma plataforma que já foi tão amplamente usada que muitos chegaram a considerar monopólio. No final dos anos 1990, a Microsoft se tornou tão rica e poderosa que fez com que o governo dos Estados Unidos a colocasse em um tribunal e a ameaçou de quebra por violação da lei anti-truste. A questão foi resolvida e a companhia se comprometeu a atuar no mercado da melhor forma possível – até a concorrência resolver pressionar.