5 coisas que ainda precisam ser melhoradas no Windows 10

Por Caio Carvalho | 29.01.2016 às 11:41
photo_camera Divulgação

Passados pouco mais de seis meses desde que foi lançado pela Microsoft, o Windows 10 certamente se consolidou como o software mais bem-sucedido na história da empresa e com a maior relevância desde o Windows XP. O último relatório divulgado pela companhia mostra que a plataforma roda em mais de 200 milhões de dispositivos em todo o mundo - um número bastante expressivo se levarmos em conta o pouco tempo de vida da plataforma.

No entanto, como qualquer outro serviço eletrônico, o Windows atual carece de melhorias. Claro, aqui estamos falando de um trabalho constante, algo que a gigante de Redmond já provou estar empenhada em aprimorar, seja através de atualizações periódicas ou com programas completamente novos, como o navegador Edge, futuro substituto do Internet Explorer.

Em setembro do ano passado, publicamos aqui no Canaltech 10 coisas que esperamos ser mudadas no Windows 10. Contudo, na nossa visão, essa lista aumentou e a Microsoft ainda não deu sinais de que pretende fornecer alternativas para alguns pontos que, de uma forma ou de outra, acabam incomodando milhares de usuários. Veja a seguir.

1. A Cortana ainda não fala português

Após fazer sua fama nos smartphones com as previsões certeiras na Copa do Mundo de 2014, a Cortana ganhou uma versão para o Windows 10 que expandiu ainda mais suas funcionalidades. Desde então, ela tem se saído muito bem se comparada com outras assistentes virtuais no mercado, como a Siri e o Google Now. Usando apenas o comando "Hey, Cortana", é possível fazer buscas na internet, criar lembretes de eventos que você não pode esquecer e até usá-la como despertador. Isso tudo mesclando respostas diretas com pitadas de humor que só a assistente consegue dizer.

Windows 10

A questão é que todas essas ferramentas não estão acessíveis em várias línguas. Para ser mais preciso, a Cortana, por enquanto, está disponível nos seguintes países: Austrália, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, Espanha, Reino Unido e Estados Unidos.

Embora seja possível alterar a configuração de idioma do seu Windows 10 para alguma das linguagens suportadas no momento, esperamos que a assistente chegue a mais regiões do globo neste ano. Um desses locais é o Brasil, que estava na rota de lançamento em 2015, mas acabou sendo adiado para o início de 2016 - ainda não sabemos quando. Isso não deve demorar, já que o site da Microsoft já possui uma seção dedicada à Cortana totalmente traduzida para o português do Brasil. O jeito é esperar.

2. Pouco controle sobre as atualizações, que são obrigatórias

Por ser usado por milhões de pessoas, nada mais justo que o Windows 10 ser atualizado constantemente, certo? Até aí essa mudança na estratégia da Microsoft é mais do que bem-vinda, pois mantém sua máquina sempre em dia com as últimas versões da plataforma. E sejamos francos: ter updates com mais frequência era algo necessário no ecossistema Windows, uma vez que o software precisa lidar diariamente com ameaças e tentativas de burlar sua segurança.

A partir de agora, todas essas atualizações, independentemente para quais objetivos elas sejam, são obrigatórias. Quem usa as versões Professional e Enterprise, destinadas para empresas, ainda tem a opção de adiar a instalação de novos patches (com exceção de updates de segurança), mas não é algo definitivo: vai chegar o momento em que será preciso baixar esses pacotes para continuar utilizando o Windows 10. Já para usuários domésticos, essa opção sequer existe, e não há como fugir das atualizações, que são instaladas automaticamente - desde que você esteja conectado à internet.

O problema - e é aí que entra um dos tópicos mais polêmicos em relação ao sistema - é que quase não temos controle sobre aquilo que está sendo instalado no nosso PC. Na prática, essa é uma jogada perigosa porque são vários os relatos de pessoas, a maioria donas de computadores com o Windows 10 Home, que tiveram que lidar com o mau funcionamento de aplicativos e drivers após o download obrigatório desses patches. Se por um lado esses updates constantes trazem mais segurança, por outro podem prejudicar o desempenho da máquina, que pode travar ou apresentar pequenos erros.

Windows 10

Para este caso, existem duas soluções. Uma delas é fazer o upgrade para o Windows 10 Pro, que garante mais flexibilidade na hora de decidir qual o melhor momento para instalar as atualizações. A outra é desinstalar manualmente alguns updates acessando o Painel de Controle e depois Programas > Exibir atualizações instaladas. Lembrando que isso elimina os patches temporariamente, sendo que você terá que baixá-los novamente assim que a Microsoft liberar uma nova atualização. Você também pode agendar a restauração de sistema para fazer o download dos arquivos. Basta acessar Configurações > Atualização e Segurança > Windows Update e mudar as opções de acordo com sua preferência.

Outro detalhe importante é deixar habilitado o recurso de criação automática de um ponto de restauração sempre que novos programas e atualizações são instalados. Isso serve para que o software possa ser recuperado caso ocorra algum problema durante o procedimento. Vá na barra de busca do Menu Iniciar e digite restauração e depois clique em Criar ponto de restauração. Se a opção não tiver ativa, clique em Configurar > Ativar a proteção do sistema, selecione o espaço máximo que os pontos de restauração podem ocupar e clique em OK. Volte à janela anterior, clique em Criar, digite o nome para o ponto de restauração, clique novamente em Criar e aguarde até que o Windows conclua o processo.

3. Aonde foram parar estes aplicativos?

Entre os serviços mais populares da Microsoft que não estão disponíveis no Windows 10 está o Windows Media Center. Lançado em 2002, a plataforma reúne player de vídeo e música, visualizador de fotos e outros conteúdos em um só lugar. Apesar de existirem outros programas para cada atividade - Spotify, Netflix, entre outros -, muita gente ainda fazia uso da plataforma por conta de sua gratuidade ou pela interface simples que facilitava a navegação.

Só que o Media Center não teve um substituto à altura. As imagens são abertas no visualizador de fotos tradicional do Windows, enquanto músicas e vídeos podem ser acessados no Media Player. Agora, para quem quiser assistir filmes e séries em DVD, será preciso baixar um aplicativo específico para esta função. Além disso, se você é um usuário do Windows 7 ou de versões anteriores, é necessário pagar uma taxa pelo app, que ainda carece de algumas funções.

Windows 10

Obviamente, com a popularização do mercado de streaming (de música e vídeo), ficou um tanto obsoleto usar mídias físicas no PC. Por outro lado, é estranho não ter uma central voltada para a reprodução desses conteúdos - e precisar tirar o escorpião do bolso, dependendo de qual Windows você tem na sua máquina. Contudo, esse problema vai além e atinge também outros aplicativos que fizeram história no Windows, como os jogos Campo Minado e Paciência. Estes ganharam suas versões para Windows 10, mas parecem limitados quando comparados aos games originais, que por sua vez quase não foram alterados em toda a trajetória do sistema operacional.

4. A interface continua confusa

Na nossa última lista de coisas que precisam ser melhoradas no Windows 10, algo que incomodava centenas de usuários não mudou até agora: o modo como navegamos por determinados menus da plataforma. É fato que a Microsoft tentou reunir em um único lugar todas as configurações do Windows, como "Contas", "Dispositivos", "Privacidade", entre outras. Só que, na maioria dos casos, ainda temos que recorrer ao velho Painel de Controle para mudar uma ou outra opção.

Esse empecilho se aplica principalmente quando precisamos alterar alguma configuração específica. Por exemplo: na hora de mudar sua conexão Wi-Fi, você precisa acessar a opção "Conexão & Internet" no menu Configurações, mas também visitar o Painel de Controle para gerenciar opções avançadas de conexão. Por que não colocar isso tudo em um só lugar?

5. Problemas de drivers

Windows 10

Como dito anteriormente, o Windows 10 obriga você a instalar atualizações assim que elas são liberadas pela Microsoft. Isso não afeta apenas o software, que reúne os programas e aplicativos usados por você, mas também os últimos drivers baixados no PC. Aqui, novamente reforçamos: mais atualizações significam maior segurança para suas informações, mas também podem causar um conflito na parte de hardware do computador.

No ano passado, poucas semanas após o sistema chegar ao mercado, começaram a aparecer os primeiros problemas envolvendo os updates automáticos do Windows 10. Em fóruns e redes sociais, usuários disseram que, por conta dessas atualizações, alguns drivers de suas máquinas simplesmente pararam de funcionar ou causaram erro no desempenho de algumas ferramentas.

Não está claro quais itens o Windows 10 leva em consideração na hora de se atualizar, mas tudo indica que o download é universal, ou seja, o mesmo para todos os dispositivos. Se for assim, é de se esperar esse tipo de situação - afinal, cada aparelho possui uma configuração diferente e, na maioria dos casos, um driver mais novo pode ser pior que o mais antigo.

E para você?

Windows 10

O Windows 10 talvez seja o projeto mais dinâmico e persistente já desenvolvido em toda a história do sistema operacional. Só o fato da plataforma ser atualizada com muito mais frequência é um indicativo dessa afirmação. Repetimos aqui: em tempos de Edward Snowden, isso só contribui para que o software seja ainda mais seguro e atrativo para empresas e usuários. Contudo, por ser um trabalho em constante atualização, a Microsoft precisa apresentar novas maneiras de lidar com as próprias ferramentas e apresentar soluções que resolvam estas e outras situações tão presentes no nosso dia a dia.

Agora conte para gente: o que você acha que precisa ser melhorado no Windows 10 em 2016? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.