Microsoft remove “aplicativo” do YouTube para Windows Phone

Por Redação | 12.09.2016 às 12:15

Por anos, os usuários de Windows Phone vivem sem uma aplicação oficial para o YouTube, algo plenamente disponível em qualquer outra plataforma móvel. E, pelo jeito, a ideia é que eles permaneçam assim, já que o único resquício de um software para esse fim foi retirado da loja da Microsoft nesta semana, sem alarde nem aviso prévio.

O aplicativo, se é que pode ser chamado assim, nada mais era do que um atalho. Ao ser selecionado, ele abria o navegador do aparelho diretamente no YouTube, e a partir dele permitia a navegação por vídeos, o upload de clipes para a conta do usuário e todas as ações pertinentes relacionadas a inscrições, curtidas e comentários. Basicamente, o mesmo efeito que o usuário conseguiria se abrisse o Internet Explorer ou Edge diretamente e digitasse o endereço do site.

A remoção do aplicativo do ar pode ser contada também como mais um capítulo em um combate verbal entre Google e Microsoft com relação ao YouTube no Windows Phone. Por anos, a empresa de Redmond acusou a gigante das buscas de ignorar a plataforma, dando suporte apenas ao iOS e seu próprio sistema operacional, o Android, e deixando o restante dos usuários sem qualquer opção.

A Microsoft, então, decidiu tomar uma atitude e criou, ela mesma, um aplicativo para o YouTube apenas para se ver obrigada a retirá-lo do ar por duas vezes após bloqueios relacionados à API do serviço. O Google afirma que o uso que a companhia vinha fazendo de seus sistemas ia contra os termos da plataforma, e que a inexistência de um app dedicado tinha a ver com atualizações na forma como o Windows Phone lidava com HTML5. Tais mudanças vieram, depois, na versão 8.1, mas ainda assim os usuários ficaram sem o software.

Na época, a Microsoft fez declarações inflamadas na imprensa afirmando que o Google tentava ativamente garantir que os usuários de Windows Phone não tivessem a mesma experiência que os de outras plataformas. E que isso, diante da popularidade do serviço, acabaria levando artificialmente os usuários para outros modelos de smartphone, indiretamente afetando seus resultados nas lojas.

A empresa de Redmond não se pronunciou sobre a retirada do aplicativo de sua loja online. Para PCs, ele continua disponível, mas no Windows 10 funciona basicamente como nos celulares – um clique abre o navegador e leva o usuário diretamente ao site de vídeos, sem entregar uma experiência direta ou otimizada. Aqui, também, bastaria digitar a URL para tornar o software completamente inútil.

O YouTube não é o único serviço notório do Google sem versão Windows Phone - praticamente todos eles estão de fora da Windows Store. Os usuários, por exemplo, não contam com lançamentos oficiais do Gmail, Google Mapas ou Google Docs, muitas vezes tendo de recorrer a apps de terceiros para fazer uso de tais ferramentas.

Fonte: MS Power User