Sem alarde, Google distribui nova versão empresarial do Glass

Por Redação | 31 de Julho de 2015 às 09h00

Silenciosamente, o Google está distribuindo uma nova versão do seu dispositivo vestível, o Google Glass. De acordo com fontes familiarizadas com o assunto, a nova versão do gadget do gigante da internet é destinada a empresas de setores como saúde, indústria e energia.

A novidade é visualmente parecida com a versão Explorer do antigo Glass, mas sem a armação original. Em vez disso, ele utiliza um sistema de dobradiça para prender o minicomputador em diferentes tipos de óculos. Essa versão é exclusiva para empresas e uma nova versão para consumidores comuns deve demorar, pelo menos, mais um ano para ser lançada.

Ao que tudo indica, um grande lançamento da versão "enterprise" do Google Glass não está nos planos da empresa de Mountain View. Por enquanto, ela está distribuindo algumas unidades para desenvolvedores de software criarem programas que possibilitem o uso do gadget em ambientes de negócios. O objetivo é que algumas empresas testem o dispositivo até o final do ano.

O novo modelo dos óculos tem um processador Intel mais rápido do que a versão anterior, maior autonomia de bateria e uma melhor conectividade sem fio. O campo de visão virtual criado pelo Glass agora ficou mais longo e mais fino na nova versão do dispositivo. Ele pode ser movido verticalmente e horizontalmente, enquanto seu antecessor oferecia somente ajuste horizontal.

A versão empresarial do Glass também traz uma bateria desenvolvida pelo Google especificamente para ser ligada magneticamente com o gadget. A primeira versão sofria seriamente com a curta duração da bateria. Rumores recentes também apontam que o novo dispositivo seria resistente à água e teria um corpo muito mais robusto, uma vez que poderia ser utilizado por profissionais no seu dia a dia e por isso deve conseguir resistir a quedas e batidas.

A opção do Google por lançar uma versão do Glass destinada apenas ao uso empresarial pode ajudar a companhia a contornar alguns problemas de privacidade que enfrentou com o produto original, afinal ele será usado principalmente em locais privados de trabalho.

Histórico do Google Glass

A primeira versão do Google Glass foi vendida por US$ 1.500 e provocou uma reação negativa generalizada em relação à privacidade das pessoas. Isso porque um usuário poderia gravar vídeos em locais públicos sem que os outros percebessem. Em janeiro deste ano, o Google optou por parar de vender o dispositivo e os executivos da empresa admitiram que o gadget foi lançado para os consumidores antes de estar realmente pronto.

No final de 2014, o Google já anunciava seus planos para lançar uma versão melhorada do Glass para os consumidores finais. Rumores chegaram a dizer que a empresa havia comprado ou alugado imóveis para criar lojas destinadas à venda do dispositivo. Em meados de dezembro, o plano se desfez e a equipe responsável pelos óculos deixou o laboratório de pesquisas do Google.

Todo esse processo gerou uma tensão entre os engenheiros de hardware e software da empresa. Enquanto o Google gostava da ideia de lançar as primeiras versões de seus produtos para depois aprimorá-los com base no feedback dos testadores, alguns profissionais da empresa acreditavam que o melhor era mantê-los em segredo até que estivessem prontos para o uso do consumidor final.

Entre todas essas idas e vindas, pessoas familiarizadas com o assunto afirmam que o Google não desistiu de lançar uma versão do Glass para usuários comuns e que a empresa continua comprometida com a tecnologia.

Via The Wall Street Journal