Intel pode ter fechado divisão de produtos vestíveis

Por Redação | 20 de Julho de 2017 às 11h03
Tudo sobre

Intel

Saiba tudo sobre Intel

Ver mais

As tecnologias vestíveis foram consideradas uma das meninas dos olhos da Intel há alguns anos, mas parece que o amor acabou. De acordo com relatos ainda não confirmados oficialmente, a fabricante de chips teria fechado sua divisão de wearables há duas semanas, demitindo funcionários e interrompendo o desenvolvimento de tecnologias e projetos relacionados. O foco, agora, seriam as realidades virtual e aumentada.

Os rumores de que a Intel abandonaria o setor não são recentes. Em novembro do ano passado, por exemplo, a empresa negou boatos de que estaria reduzindo os investimentos em aparelhos vestíveis. Ela citou a aquisição da Basis, realizada em 2014, como uma prova de que está comprometida com esse setor.

Entretanto, na mesma época cerca de 80% dos funcionários da companhia foram dispensados das atividades e tiveram empregos oferecidos em outros setores. O total de pessoas que permaneceram na empresa, bem como para quais projetos eles foram alocados, é desconhecido. Também não se sabe o paradeiro daqueles que decidiram não permanecer.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Vale a pena lembrar que, há três anos, quando a Basis foi adquirida, a fabricante de chips estava entrando de cabeça nesse segmento, lançando duas famílias de chips, o Quark e o Edison, voltadas justamente para os dispositivos vestíveis. Com baixo consumo energético e sensores integrados, os componentes deram as caras em pulseiras de exercícios e fizeram frente a soluções da Qualcomm e Texas Instruments.

Em 2015, a Intel comprou a Recon, uma fabricante de displays de alta resistência voltados para uso em relógios inteligentes e outros dispositivos voltados, de forma mais específica, para os fabricantes de exercício. Mais um reflexo do foco da companhia nesse mercado, cujo destino, agora, é incerto.

Os wearables faziam parte de um setor da Intel chamado de Grupo de Novas Tecnologias, que agora passa a trabalhar em realidade aumentada e virtual. Os trabalhos com dispositivos vestíveis teriam sido interrompidos completamente, mas a companhia não teria explicado as razões para isso – supostamente, as baixas vendas e o esfriamento da onda – nem mesmo para os funcionários envolvidos nos trabalhos.

A Intel, entretanto, não confirmou nem negou oficialmente as mudanças. Em seu site oficial, os dispositivos vestíveis, frutos de sua parceria com marcas como Oakley e Tag Heuer, continuam sendo divulgados, bem como os chips Curie, voltados para essas tecnologias, permanecem aparecendo como sua oferta para as empresas do setor.

Fonte: Apple Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.