Google Glass pode ajudar empresas a economizar US$ 1 bilhão ao ano

Por Redação | 12.11.2013 às 15:19
photo_camera Divulgação

Mais do que um dos gadgets mais desejados do momento, o Google Glass pode mudar a forma como interagimos com a tecnologia. O que você não sabe é que os óculos de realidade aumentada da gigante de Mountain View devem ajudar na economia e crescimento de algumas companhias. As informações são do Business Insider.

Quem faz essa afirmação é o centro de pesquisas Gartner, que prevê que algumas empresas, principalmente aquelas que utilizam vidro ou materiais semelhantes como componente principal na maioria dos produtos, poderão economizar até US$ 1 bilhão ao ano em um prazo de três a cinco anos a partir do lançamento do Glass.

Isso tudo tem uma explicação: os celulares e computadores evoluíram bastante ao longo das últimas décadas, mas ainda dependemos de periféricos para realizar qualquer atividade interativa desse tipo, seja na internet ou através de aplicativos e ferramentas offline. A realidade aumentada do Google Glass vai permitir, entre outras tarefas, acessar à web, tirar fotos, fazer videoconferências e atender chamadas de telefone sem usar as mãos ou telas físicas para visualizar todos esses conteúdos. Logo, as empresas que fabricam monitores poderão economizar na produção desses componentes, já que o mercado de PCs está crescendo menos que o de dispositivos móveis.

Os óculos, segundo o Gartner, vão ajudar profissionais de diversas áreas do mercado, como produção, reparação técnica e saúde. "As maiores economias focadas em serviços poderão analisar e corrigir problemas de forma mais rápida e sem a necessidade de contratar novos especialistas", disse Angela McIntyre, diretora de pesquisa do Gartner.

Apesar de ainda não ter sido lançado para o consumidor final, o Gartner destaca que o Google Glass já está sendo disponibilizado para várias organizações dos Estados Unidos e de outros países. No entanto, menos de 1% dessas companhias estão fazendo uso do dispositivo. Esse cenário deve mudar nos próximos cinco anos, quando 10% das instituições adotarem o objeto como acessório permanente no ambiente de trabalho.

"Empresas de TI já estão sendo orientadas com recomendações de como os óculos devem ser usados", disse McIntyre.

Profissionais do mundo todo já tentam adequar o Glass no dia a dia. Aqui no Brasil, um caso recente foi o do Dr. Miguel Pedroso, do hospital São Camilo, em Salto (interior de São Paulo). O médico realizou a primeira cirurgia do país usando os óculos do Google e comprovou que o aparelho tem potencial para ser usado na medicina. O eletrônico pode, por exemplo, realizar Hangouts com outros especialistas a distância para receber orientações sobre processos cirúrgicos ou ser usado para assistir vídeos que ajudem na hora da operação.