Google Glass é proibido em todas as salas de cinema dos Estados Unidos

Por Redação | 31.10.2014 às 11:00
photo_camera Divulgação

O aumento nas vendas de dispositivos móveis tem chamado a atenção de governos e líderes mundiais. Até que ponto alguém usar um tablet, smartphone ou outro dispositivo portátil pode prejudicar quem está ao redor ou os negócios de uma determinada empresa?

A preocupação aumenta ainda mais com a chegada de relógios, pulseiras e óculos inteligentes. E é nesta última categoria que entra o Google Glass, o novo "inimigo" das autoridades americanas, que decidiram proibir a utilização do gadget em todas as salas de cinema dos Estados Unidos. As informações são do site The Hollywood Reporter.

A tolerância zero com o acessório da gigante das buscas já não é tão novidade assim. Anteriormente, diversos estabelecimentos anunciaram que não iriam permitir sua utilização, incluindo bares, restaurantes, cassinos e até clubes de strip. A diferença é que, ao contrário destes casos, o bloqueio do Glass em sessões de cinema não é algo isolado e irá atingir todo o território americano e abranger todo e qualquer dispositivo que possa ser usado junto ao corpo.

Na última quarta-feira (29), a Motion Picture Association of America (MPAA) e a National Association of Theatre Owners (NATO), associações estadunidenses cinematográficas e dos donos de cinemas, respectivamente, anunciaram que não será permitido o uso de acessórios vestíveis dentro das salas onde acontecem as sessões com os filmes. Os clientes deverão retirar o aparelho ao entrar no local de exibição e, caso haja suspeita de que o usuário gravou ou está tentando gravar o título exibido, poderá ser retirado da sessão ou levado à polícia, dependendo da gravidade da situação.

"Indivíduos que não forem capazes ou se recusarem a guardar dispositivos de gravação serão convidados a sair. Se os gerentes do cinema perceberem que a atividade de gravação ilícita está acontecendo, autoridades da lei serão alertadas quando for apropriado e [os oficiais] determinarão quais outras medidas devem ser tomadas", destacaram as entidades.

"A MPAA e a NATO têm uma longa história em acolher os avanços tecnológicos e reconhecem o forte interesse do consumidor em smartphones e outros dispositivos portáteis. No entanto, como parte de nossos esforços contínuos para garantir que os filmes não sejam gravados nas salas de cinema, matemos uma política de tolerância zero para a utilização de qualquer aparelho de gravação durante a exibição dos títulos", completaram.

O objetivo das novas regras não é garantir a privacidade dos usuários, mas sim combater a pirataria, já que é comum encontrar filmes inteiros gravados em salas de cinema e vendidos ilegalmente em lojas não autorizadas ou camelôs. Levando em consideração o atual protótipo do Google Glass, é provável que, caso alguém tente gravar o conteúdo dentro da sessão do filme, não consiga o resultado esperado por dois motivos: a fraca duração da bateria e a baixa qualidade da câmera do acessório.

Vale lembrar que os cinemas do Reino Unido também proíbem o uso do Glass durante as sessões, mas a medida parece afetar apenas o gadget vestível do Google.