Google Glass agora pode ser controlado usando o poder da mente

Por Redação | 10 de Julho de 2014 às 18h18
photo_camera Divulgação
TUDO SOBRE

Google

O Google ainda não revelou quando seus óculos de realidade aumentada serão vendidos para todos os consumidores no mundo, mas aos poucos o Programa Explorer está se expandindo. Começou nos Estados Unidos e chegou há algumas semanas no Reino Unido. Fato é que não param de surgir novas ferramentas para o Glass, e uma das mais recentes "transforma" o usuário em um X-Men – ou quase isso.

Trata-se do MindRDR, um aplicativo que permite controlar o dispositivo da gigante das buscas usando o poder da mente. Como informa o pessoal do site TechCrunch, a novidade é concebida pelo estúdio de criação This Place, em Londres e, embora ainda esteja em fase inicial de desenvolvimento, já é possível navegar pela UI dos óculos, tirar fotos e compartilhar imagens via Facebook ou Twitter através do app. Tudo isso utilizando apenas a força do pensamento.

O MindRDR funciona em conjunto com um headset biossensor chamado Neurosky MindWave EEG, lançado em 2012. O funcionamento é bem simples: uma vez acoplado à cabeça do usuário, o acessório analisa suas ondas cerebrais e as transmite para o Google Glass. Os óculos, com o MindRDR instalado, traduzem essas ondas cerebrais, e toda a leitura feita pelo app fica sobreposta na visão da câmera do Glass, que reconhece comandos executáveis via conexão Bluetooth.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A única exigência é a necessidade de ficar concentrado para realizar os comandos, que na prática quer dizer o seguinte: quanto mais foco sua mente tiver, mais rápido o comando será realizado. Esse nível de concentração é exibido em um medidor – por exemplo, se o usuário quiser tirar uma foto, ele se concentra nessa tarefa e o Glass bate a fotografia. Concentrando-se mais um pouco, o medidor sobe novamente e a imagem é postada no Twitter.

Alguns funcionários testaram o app e publicaram fotos no micro-blog usando o MindRDR:

Chloe Kirton, diretora criativa da This Place, afirma que o conceito principal por trás do headset é tornar a utilização do Glass muito mais prática e intuitiva. "Nós vimos os poblemas [dos óculos], e depois de um certo tempo o seu braço se cansa. Queríamos pensar em algo que fosse natural e acessível para todos", explica. Apesar do Glass dispensar o uso de telas touch, o usuário precisa sempre levar o dedo até o acessório para realizar qualquer tarefa (acessar mapas, tirar fotos, gravar vídeos, entre outras).

De acordo com Dusan Hamlin, CEO da This Place, o headset já é capaz de detectar quatro das 18 "reações" do nosso cérebro, um número que, por enquanto, é limitado, mas que pode ser ampliado no futuro – o MindRDR teve seu código-aberto publicado na íntegra no site GitHub para permitir que desenvolvedores criem projetos mais avançados. A expectativa dos criadores é que, entre os principais benefícios, está a possibilidade de ajudar pessoas que sofrem de paralisia ou síndrome de encarceramento (LIS), que é quando a pessoa está consciente, mas não consegue se mover ou se comunicar.

Assista no vídeo abaixo como funciona o MindRDR:

Últimas do Google Glass:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.