Ex-funcionário do Google explica por que o Google Glass não deu certo

Por Redação | 05 de Fevereiro de 2015 às 17h00
photo_camera Divulgação

Em 2013, o Google Glass começou a ser entregue a desenvolvedores e jornalistas para testes. Em pouco tempo, o gadget gerou um grande burburinho e foi aclamado por entusiastas da tecnologia. Tudo parecia bem para o novo produto do Google até que, em 2014, a empresa decidiu abrir as vendas para o público geral. O movimento, que poderia ser visto com simpatia por todos, pecou por cobrar US$ 1.500 pelos óculos, que, desde então, foram alvo de duras críticas por parte dos usuários e, ao mesmo tempo, considerado a melhor e a pior invenção dos últimos tempos.

Quase um ano depois, o Google resolveu colocar um ponto final na trajetória do Glass e encerrou suas vendas em janeiro. Mas o que levou a empresa a descartar milhões de dólares e retirar o seu gadget mais inovador das mãos dos usuários?

Antes de tudo, é preciso compreender que o projeto do Google Glass foi desenvolvido pelo escritório do Google X e foi mantido em sigilo por cerca de 6 anos, de 2006 a 2012. Quando veio à público, em 2013, a empresa implantou o programa Glass Explorer Program, que colocava o gadget à disposição de desenvolvedores e especialistas em tecnologia.

Segundo um ex-funcionário do Google, quando o programa Explorer foi colocado em prática, o Google Glass não era nem mesmo um produto pronto. "A equipe do Google X sabia que o produto não estava nem perto de estar pronto para testes", conta ao New York Times.

Mesmo assim, o chefe da divisão Google X e cofundador do Google, Sergey Brin, quis que o Glass fosse a público com a esperança de que o feedback dos usuários ajudasse no desenvolvimento. No entanto, a imprensa especializada acabou por ignorar que estava com um produto de testes em mãos e o avaliou como algo finalizado, pronto para os usuários.

Durante esse processo, um review do YouTube chegou a classificar o gadget como "o pior produto de todos os tempos", o mesmo que um ano antes foi classificado pela revista Time como a melhor invenção de 2012.

Mas, um dos principais motivos para o fracasso do Glass com os consumidores foi a questão da privacidade. Muitas pessoas começaram a questionar se ele não poderia ser utilizado para roubar informações pessoas, para tirar fotos sem autorização entre outras coisas que colocaram em xeque sua viabilidade.

Por essa série de problemas, o Google decidiu encerrar o programa Explorer no dia 19 de janeiro deste ano. Isso significa que, nós, usuários, nunca voltaremos a ver o Glass à venda como um protótipo, mas possivelmente como um produto final em um futuro incerto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.