Análise de Produto 333 / 340 vídeos

iPhone 8 Plus: a dois passos do paraíso [Análise / Review]

11:33 | 29 de Setembro de 2017

Tim Cook deixou claro que o iPhone 10 é o smartphone que levará a Apple para o futuro. Ele é exatamente o que o mercado esperava do iPhone 8. Tela enorme, inovações tecnológicas em um display OLED...mas tem gente que prefere o iPhone como ele está. Para essa gente, existe o iPhone 8 Plus. Que muda quase nada do lado de fora, mas dá alguns saltos do lado de dentro.

OLÁ iPHONE 6, PELA QUARTA VEZ

Se você colocar o iPhone 8 Plus, junto do iPhone 7, ou mesmo do 6, ou 6S, nota que quase nada muda do lado da frente. Pouco muda nas laterais e apenas a traseira mostra alguma evolução. Sim, ele é exatamente isso. Mais um iPhone novo, com pouco ou quase nada melhorado do lado de fora. Mais uma vez.

A coisa é tão séria, que esta capinha feita para o iPhone 7 Plus encaixa perfeitamente no iPhone 8 Plus.

A frente continua com a tela de 5.5 polegadas e que, em 2017, parece coisa de 2013. O botão home, não mais físico e que funciona como leitor de impressões digitais, continua no mesmo lugar e com as mesmas funções. Os botões de volume, liga/desliga, alavanca para silenciar, entrada Lightning, infeliz ausência de entrada para fones de ouvido e a posição dos falantes continuam no mesmo lugar da geração passada.

Melhorias por aqui? Duas. A primeira é que a Apple garante ter aumentado o volume geral dos dois falantes do iPhone 8 Plus, quando comparado ao iPhone 7 Plus. Coisa de 25% mais alto e...de fato é. Já a segunda é que a traseira agora é em vidro. Lembra bastante o Jet Black, só que amando menos marcas de dedos e riscos leves. Nos dias que utilizei como meu smartphone, não vi arranhão algum.

A pegada também agradece, já que ele escorrega menos com as bordas mais ásperas. A traseira de vidro permite que o iPhone, finalmente, utilize carregamento sem fios no padrão QI. Este é um padrão de mercado já utilizado faz tempo, o que permite compatibilidade certeira com acessórios de empresas concorrentes. Como este, da Samsung. Dá até para carregar o iPhone com uma capinha protegendo o corpo. É só alinhar o smartphone na posição correta e, pronto.

ÓTIMA TELA, COM BORDAS ENORMES

O iPhone 8 Plus continua com display 5,5 polegadas, que exibe cores com maestria, ângulos de visão generosos e nenhuma aberração cromática quando você está mais pros lados da tela. O problema dela é a borda, grande demais. Se estivesse em 2013, não seria problema. Mas, hoje, em 2017, temos o G6, S8, V30, Mi Mix e até o intermediário Q6, com telas ocupando mais da frente e dando maior ergonomia na pegada.

Não, a tela do iPhone não é ruim. É a melhor tela IPS LCD que você pode encontrar no mercado. O problema é essa sensação de smartphone atrasado. Deixado para trás. E este é um dos pontos onde o iPhone X faz muito mais sentido. De verdade.

Ah, seguindo os passos dos iPads, a Apple colocou o modo True Tone nos novos iPhones. Ele adapta o display ao ambiente externo, mudando a temperatura da cor. Passando para mais amarelado, ou mais azulado. É bacana, mas pessoalmente prefiro deixar desligado.

Receber uma foto no WhatsApp, ou ver algo no Instagram ou Facebook, só que mais amarelado, me incomoda. Parece que estou vendo a foto na cor errada. Entende?

ESPECIFICAÇÕES

O iPhone 8 Plus vem equipado com um novo processador chamado A11 Bionic, com seis núcleos, 3 GB de memória RAM, GPU criada pela própria Apple e opções entre 64 GB e 256 GB de memória interna.

* Processador Apple A11 Bionic
* Seis núcleos
* 64 GB / 256 GB
* 3 GB RAM
* iOS 11

Para vocês, amantes de benchmarks e testes frios, seguem alguns resultados.

DESEMPENHO DE (MUITA) SOBRA

O iPhone 8 Plus voa. Ele roda literalmente qualquer coisa que existe hoje na App Store. Jogos, apps. Tudo, com muitos apps abertos no fundo e até mesmo alguns jogos em background. Testamos tudo de mais pesado, de Asphalt Xtreme, BreakNeck, passando para o mais pesado Warhammer 40k: Freeblade e...nada. O iPhone 8 Plus continuou rodando com facilidade memorável e belíssimos gráficos.

O iOS 11, já de fábrica, ajuda bastante e é otimizado para o hardware do iPhone. Ele vem com uma série de melhorias quando comparado ao iOS 10. Nós falamos justamente sobre estas mudanças num vídeo que está no card que apareceu agora.

Resumindo, temos uma nova App Store que explica mais os apps, um aplicativo para gerenciar arquivos em serviços de armazenamento em nuvem, nova central de controle com mais atalhos e que podem ser customizados. A Siri fala com voz muito mais natural e, o principal: realidade aumentada.

Ainda são poucos apps e jogos que tiram proveito disso, mas já testamos por aqui um que mede distância entre dois pontos, ou este que coloca móveis em sua sala, em tamanho real. Ou então este, do Warhammer e que deixa sua mesa virar um campo de batalha.

Ah, tudo isso você também faz no iPhone 7 Plus, ou no 6S Plus.

CÂMERAS

O iPhone 8 Plus vem com duas lentes, assim como já fazia a geração passada. Ainda são sensores de 12 megapixels, mas há melhorias por aqui que fazem todo o sentido quando você olha a concorrência. A Apple estava perdendo para o Galaxy S8 ou o Pixel. Ou o Galaxy Note 8.

As coisas melhoraram e a qualidade geral das fotos impressiona. Em ambientes bem iluminados é quase impossível notar algum granulado, ou diferença grande entre a cor de verdade e o que foi registrado com qualquer uma das lentes. Mesmo aproximando para objetos mais distantes, com o zoom ótico, a lente mais escura não mostra dificuldade em lidar com a cena.

Para fotos noturnas, mesmo em locais com maior contraste entre pontos com luz e outros mais escuros, as cores não ficam perdidas e o ruído é pequeno.

Ah, uma mudança importante: o HDR agora não é mais uma escolha. Ele sempre estará ativado de forma automática. Decidindo, sozinho, se será aplicado ou não.

Novidade em recursos, ficam em dois pontos. Agora há mais opções para a foto em modo retrato. Ainda não dá pra escolher o quão desfocado você quer a cena, mas dá pra mudar a luz no rosto da pessoa. Até mesmo remover o fundo e deixar como num palco. É um recurso bacana, mas nada matador. É divertido.

Por fim, dá pra gravar em 4K em 60 quadros por segundo, consumindo mais de 400 MB a cada minuto gravado. Sim, dois minutos beiram 1 GB de arquivo e, bem, lide com isso.

BATERIA MENOR (O QUE É RUIM)

A Apple, por algum motivo, resolveu que era hora de diminuir a capacidade total de carga do iPhone 8 Plus. Ele vem com 2691 mAh, 209 mAh a menos do que o iPhone 7 Plus. Parece péssima ideia, mas eu consegui chegar no final do dia com quase que a mesma quantidade de energia sobrando, quando voltava com o iPhone 7 Plus. Girando perto dos 20%.

Por meu dia, entenda como o smartphone conectado em 4G o tempo todo, Wi-Fi em boa parte, localização o tempo todo, assim como Bluetooth para um smartwatch. Adicione redes sociais, navegação na web, jogos pesados aqui e ali, com fotos ocasionais e alguma navegação com GPS pelo Google Maps. Ah, sim, também com streaming de música via rede de dados, por umas duas horas.

Em nosso teste de reprodução de vídeo em Full HD, lá do YouTube e com brilho no máximo, o iPhone 8 Plus chegou em 16% de descarga por hora. Contra 16% por hora do iPhone 7 Plus. Ou seja, a bateria diminuiu, mas o hardware está mais inteligente e consome menos.

Hora de falar do carregamento sem fios. Ele é novidade? Não. Já há smartphones com este recurso desde o Lumia 920, lançado em 2012. Costumo comentar que ele não é bem sem fios, já que você precisa de um fio até o carregador, que fica encostado no celular. Precisa usar o aparelho? Vai levantar da base e o carregamento para. Não é diferente no iPhone 8 Plus ou em qualquer outro aparelho que testamos até hoje.

Passando para o lado prático, o resultado desta recarga é patético. Medimos a recarga feita por um acessório da Belkin, vendido na Apple Store de onde veio este iPhone, e também em um carregador sem fios da Samsung. O resultado foi que em 30 minutos de recarga, o iphone 8 Plus conseguiu aumentar a energia da bateria em 13% com o carregador da Samsung, empresa rival da Apple.

Passando para o Belkin, a marca foi pior: 10% por cada meia hora.

Resumindo: a Apple utiliza um padrão de mercado que é bem lento, já que os números foram quase que os mesmos quando testados em um Galaxy Note 8. Não há comodidade por ser obrigado a ficar com o celular na base de carregamento, ainda pior por levar muitas horas para chegar aos 100% de energia. Carregamento sem fios, ao menos por enquanto, é apenas um recurso legal para ter numa cafeteria da vida, onde você deixa o smartphone deitado em uma mesa que recarrega o aparelho, sem necessidade de levar seu próprio cabo. Coisa para ganhar alguma bateria extra e sair.

A vantagem da Apple adotar o padrão QI, é que você certamente encontrará muitos locais onde existirão estes carregadores. Prontos para um iPhone 8 Plus, ou vários modelos de Android que já suportam este carregamento. Entendeu? A tecnologia é antiga, a Apple não inovou, mas fará o mercado aquecer e trará benefícios para todos os usuários.

VALE A PENA?

O iPhone 8 Plus é uma evolução bacana do lado de dentro, mas que falha ao manter quase tudo igual pela quarta vez do lado de fora. Ele é, basicamente, uma evolução feita para quem está em um plano de upgrade de operadora e que pode trocar de iPhone a cada ano.

Você terá o melhor poder de fogo de um iPhone, mas com um visual mais conservador. O que realmente chamará atenção, do lado de fora, é o iPhone 10. Se você está no iPhone 6S ou 7, não vale a pena comprar o 8 Plus agora. Junte mais dinheiro e leve o 10 para casa, quando ele for lançado.

Se você está no iPhone 6 ou anterior, o 8 Plus é uma boa pedida. O upgrade será enorme para sua vida e há uma penca de novos recursos que você ainda não usou. Mas, pra mim, sinceramente, vou esperar o iPhone X. É a resposta da Apple para a concorrência, que já vem ganhando mercado e a briga nos últimos anos.

E ai, o que você acha? O iPhone 8 Plus é tudo isso, ou você fará como eu será paciente para levar o iPhone X? Coloque na parte dos comentários.