Análise de Produto 332 / 339 vídeos

iPhone 8 [Análise / Review]

15:15 | 28 de Setembro de 2017

A Apple decidiu que 2017 era o ano ideal para lançar um modelo de iPhone “comemorativo” para os 10 anos do lançamento do primeiro smartphone da empresa. Esse dispositivo em questão é realmente muito bom e traz uma série de novidades, mas ele não é o iPhone 8.

Muitos usuários têm questionado esse update do iPhone 7 para o iPhone 8, e mesmo que ele também seja um flagship, ele não é o principal gadget da Apple deste ano.

Ficou curioso? Então bora lá conhecer o que o iPhone 8 tem de novidade.

EU JÁ VI VOCÊ EM ALGUM LUGAR...

Do iPhone 6s para o 7, as dimensões são as mesmas, com exceção do peso dos aparelhos. Do iPhone 7 para o 8, elas são milimetricamente diferentes, mas o modelo mais recente pesa 148 gramas ao invés de 138 gramas, e tem 7.3 mm de espessura no lugar dos 7.1 mm. E isso é bom, pois o aparelho fica mais sólido na sua mão e não escorrega facilmente.

Talvez os créditos dessa pegada mais firme fique para a traseira em vidro, que é o único destaque visual entre esse modelo e o do ano passado. E do ano retrasado também. Sério, a Apple não alterou literalmente nada na parte estética - a não ser pelas listras que continuam apenas na moldura lateral, só que na mesma posição.

Sendo assim, temos mais um iPhone de vidro nos dois lados, e segundo a Apple este é “o vidro mais resistente já usado em um smartphone”. Até agora, notamos leves riscos de uso normal.

O alumínio aeroespacial é da mesma cor da traseira, que vem separada em três nessa geração: uma space gray muito parecida com a jet black; uma ouro que pode salvar os amantes do finado ouro rosê; e uma prata, que é bem elegante.

Ponto positivo dessa mudança: chegada do carregamento sem fio. Ponto “ruim”: marcas de dedo.

O iPhone 8 foi “desenvolvido com precisão para estar protegido contra água e poeira”, mas a Apple *não* cobre danos por líquido. A IP67 contra água e poeira continua aqui, então talvez você fique menos preocupado em situações casuais. E, não, você não ouviu/leu errado. É IP67, mesmo. Nada de IP68.

Muita gente já havia acreditado na sua morte, mas muita gente também sentia esperanças de que era só uma fase. Mas, senhoras e senhores, parece que a entrada para fones de ouvido meio… que… morreu, para a Apple.

Se você não se importa com a porta P2 e já está adaptado a um mundo sem fios, então tudo bem. Outra coisa que precisa ser destacada: a Apple utiliza o mesmo Touch ID, o que não é ruim, já que o do iPhone 7 é bem rápido e preciso.

DISPLAY E MULTIMÍDIA

Em 2017, o único iPhone que ganhou uma tela realmente nova foi o X. As mesmas 4,7” foram preservadas aqui, com resolução de 1334 x 750p (324ppi) e tecnologia IPS LCD. O diferencial, porém, é a adição da tecnologia True Tone, que chegou primeiro no iPad Pro. O 3D Touch, que vem ganhando espaço com uma velocidade não muito impressionante, também se faz presente aqui.

Esse não é um adicional que traz uma diferença enorme, mas agrega mais riqueza ao display com ótima reprodução de cores e contraste do iPhone 8. O recurso ajusta a temperatura das cores de acordo com a luz ambiente, e você consegue perceber quando está ativo. A propósito, na Central de Controles, pressionando o ícone de lanterna, você tem ícones rápidos (e pra lá de sugestivos nessa posição) para o Night Shift e o True Tone.

Com ele ligado, as cores ficam mais quentes e saturadas, tendo um dos melhores resultados dos painéis LCD atuais. Mas você também pode selecionar manualmente alguns filtros; basta ir em Ajustes > Geral > Acessibilidade > Adaptações de Tela > Filtros de Cor. Meio longe, não é? Pois foi para lá que a Apple jogou a opção do brilho automático, também.

A Apple atualizou os alto-falantes do iPhone 8 e diz que eles têm volume 25% mais alto em relação ao do iPhone 7. Na prática, realmente nós percebemos que o dispositivo tem mais potência e você até consegue distinguir com facilidade o sistema estéreo trabalhando.

Uma nota (talvez) importante: a tela do iPhone 8 ocupa uma proporção de ~65% do corpo dele. Então, se você está pensando em um smartphone da Maçã com “tela infinita”, é melhor esperar pelo review do iPhone X.

ESPECIFICAÇÕES

A nova geração de iPhones da Apple traz o chip A11 Bionic, que promete ser um dos chips mais potentes e eficientes da atualidade.

* CPU de seis núcleos;
* GPU de três núcleos;
* 2 GB de RAM;
* 64/256 GB de memória interna;
* l (p/ conectar com mais de um aparelho at the same fucking time);
* NFC (que finalmente não é mais exclusivo do Pay).

Essa é a primeira GPU desenvolvida internamente na Apple e aplicada num smartphone da marca. Explicando tudo de um modo prático, a GPU também se encarrega de outras atividades repetitivas para ajudar no desempenho da máquina. Tanto que o dispositivo tem ganhado fama por causa dos benchmarks, que inclusive vocês podem conferir agora.

USABILIDADE E DESEMPENHO


Já devidamente atualizado para o iOS 11.0.1, que traz uma série de novos recursos e gestos para você controlar a interface do iPhone, a Apple conseguiu colocar no mercado mais um dispositivo com ótimo desempenho. Isto é, em boa parte, resultado do trabalho indoor da companhia.

A nova CPU da Apple tem quatro núcleos de eficiência e dois de performance, o que explica a fluidez do aparelho. Com coisas básicas, como usar redes sociais, tirar fotos, escrever um review, assistir vídeos e mais, a diferença dele para o iPhone 7 é literalmente imperceptível.

Com jogos como Goat Simulator, Bully e Asphalt 8, o desempenho do novo iPhone também é ótimo, ainda mais com a adição da API Metal 2. Provavelmente, essa força do iPhone 8, que usa o mesmo chip do iPhone X, será mantida para os próximos anos e atualizações da empresa - estamos lidando com uma Apple que está in love com a REALIDADE AUMENTADA, lembram?

É exatamente com aplicativos e jogos de AR que o iPhone 8 lida melhor. O ARKit é um novo projeto da Apple para impulsionar o uso da tecnologia em smartphones da companhia, mas apesar de ainda está dando seus primeiros passos tem se mostrado bastante eficiente. Ainda não existem muitos apps disponíveis, mas a demanda certamente vai aumentar nos próximos meses.

Vamos esperar pelo futuro, que certamente reserva algumas coisas interessantes sobre os novos iPhones.

E, sobre o iOS 11, você agora pode gravar a tela direto de um atalho da Central de Controle, que agora é unificada e está beeeem diferente.l

Aliás, o software da Apple está muito diferente por causa do iPhone X, também. Essas e muitas outras novidades vocês podem conferir neste vídeo, com 11 destaques do iOS 11 - não conseguimos evitar o trocadilho com o número.

CÂMERAS

As câmeras do iPhone 8 não receberam um upgrade considerável nesta nova geração. E ao contrário do que o público esperava, esse modelo menor não ganhou dois sensores na parte traseira - mas veio com os novos recursos de filmagem.

O iPhone 8 tem câmera traseira de 12 MP (f/1.8) com Foto automático Focus Pixels, flash True Tone de 4 LEDs e suporte ao Live Photos, que agora deixa você escolher entre os efeitos loop, vai e volta e longa exposição.

Tirando as fotos no modo burst, a velocidade dos dois é a mesma. Uma por uma, se você estiver bem atento, vai perceber que o iPhone 8 é mais rápido que o 7.

Os cliques agora também tem um tratamento mais intenso, embora a Apple já tenha dito que segue mirando no realismo. Ainda assim, você percebe um maior nível de saturação nas cores e uma certa “limpeza” no pós-processamento.

A empresa manteve também os 7 MP (f/2.2) para a câmera frontal do iPhone 8. Ela filma em Full HD@30fps, e apesar de ter as mesmas especificações básicas do antecessor, acabou se mostrando mais fiel às cores capturadas, sem deixar o tom mais opaco que é mantido pelo iPhone 7. Isso é bom, mas também não é um upgrade relativamente grande.

Ah, e o novo iOS 11 adiciona suporte a formatos de foto e vídeo mais eficientes, que reduzem o tamanh;am 400 MB e 480 MB por minuto.

Com ajuda da OIS, os vídeos gravados com o iPhone 8 são bons, e o balanço de branco se ajusta rapidamente com as mudanças de cenário e iluminação. Os criadores de conteúdo com certeza vão curtir essas novidades.

Você pode escolher os formatos e resolução dos vídeos indo em Ajustes > Câmera. Lá você também escolhe se o HDR vai ficar sempre ligado ou não, mas aqui vai um pequeno questionamento: cadê um ícone pequeno para as configurações de câmera direto do app nativo?

HABEMUS WIRELESS CHARGING

Finalmente a Apple trouxe a tecnologia de carregamento por indução no iPhone. A bateria de 1.821 mAh é menor que a do iPhone 7, que tem 1.960 mAh. A diferença não é ridiculamente grande, mas nos mostra que a versão menor do iPhone 8 não teve um declínio na autonomia.

Em uso real, o smartphone ficou fora das tomadas por quase 16 horas, sendo usado durante 7h26 - esse, entretanto, não é o tempo de tela ligada. É mais ou menos como você sair de casa por volta das 7-8h da manhã com medo dele descarregar antes das 18h, quando na realidade ele tende a ter a bateria drenada quando estamos chegando ao fim da noite.

Nesses últimos dias, nós testamos o iPhone 8 com um Apple Watch, então considere também que o Bluetooth estava ligado durante todo o tempo.

Mas, é aquela coisa: o modelo de 4,7” do iPhone não tem uma fama muito boa. A Apple promete que o A11 Bionic seja um fator determinante para a autonomia do produto, sendo que esse chip é mais econômico que o anterior.

A novidade da vez é o suporte ao carregamento “sem fio”, mesmo. Nós usamos uma base da Belkin para os testes, mas a experiência foi um tanto quanto frustrante.

* 30 minutos: 27%;
* 1 hora: 48%;
* 2 horas: 63%

A vida útil de “um dia de uso” é compreensível, mas esse sistema muito lento não é nada satisfatório. Neste caso, é melhor carregar o smartphone na tomada, que ainda leva um tempinho de 2h30 ou mais.

O iPhone 8 tem a certificação Qi de carregamento sem fio, assim como outros smartphones como o Galaxy S8. A diferença é que o smartphone da Maçã tem a tecnologia na versão 1.1, e a Samsung já usa a 1.2 nos seus devices. E nós somos thug life e testamos também com uma base da Sammy, mas o resultado foi o mesmo.

A Apple, porém, prometeu uma atualização de software para melhorar esse ponto, o que de certa forma é animador. Só o que nos deixa incomodado é que o carregador que vem na caixa dele é de 5W/1A, e se você realmente quiser usar o carregamento rápido do iPhone vai precisar comprar um novo adaptador.

E, calma, esse não é o balde de água fria. Para usar esse recurso, você precisará de um adaptador de energia da Apple e um cabo USB-C para Lightning. O preço de cada um aqui no Brasil, respectivamente, considerando o adaptador de 29W, é de R$ 329 e R$ 149.

VALE A PENA?

A Apple ainda não lançou o iPhone 8 ou qualquer um dos novos iPhones no Brasil, embora eles devam chegar ainda em 2017. Mas, lá nos EUA, o smartphone é encontrado por US$ 699 desbloqueado na configuração com 64 GB, ou US$ 849 com 256 GB. Em conversão direta e sem considerar os impostos e tributações, temos aí algo próximo dos R$ 2.220 e R$ 2.700.

O resumo disso tudo é que o upgrade do iPhone 6s para o 7 foi muito mais significativo do que o do iPhone 7 para o 7s… aliás, iPhone 8. Desculpem. Nós temos aqui uma série de recursos interessantes, câmeras melhores e bateria que não deixa a desejar, mas é, em suma, “mais do mesmo”.

Se você tem um iPhone 7 mas está pensando em trocar para o 8 por causa do desempenho geral, saiba que essa realmente não é uma troca que vale a pena. De todos os iPhones de 2017, esse aqui realmente não empolga muito, apesar de ser um ótimo smartphone. Deu pra entender?