Análise de Produto 368 / 443 vídeos

Fire TV Stick Basic Edition: uma alternativa ao Chromecast [Review / Análise]

08:33 | Por Redação | 12 de Janeiro de 2018

Se vocês já pararam para pensar em dongles de streaming, devem ter pensado no Chromecast... no Chromecast... e no Chromecast. Existem outras opções no mercado é claro, mas a melhor e mais bem-sucedida é o Chromecast, com custo baixo e que via HDMI torna qualquer TV em Smart.

Quem estava ligado no Canaltech nas últimas semanas viu que isto aqui chegou oficialmente ao Brasil. Está na hora de falarmos do Fire TV Stick Basic Edition, da Amazon.

AMAZON NA SUA HDMI

Espetar um pendrive gigante na traseira da sua TV, essa é a impressão que o Fire TV Stick dá numa primeira olhada. Ele é relativamente grande de fato, observe ela na mão de uma pessoa. Essa peça tem certa facilidade de ficar "te olhando por trás da TV", com uma pontinha escapando pela lateral da TV.

Existe um adaptador-extensor HDMI para contornar o problema, afinal uma peça rija dessas seria incompatível com inúmeros televisores se não fosse por essa possibilidade mais flexível. Lembre-se que ele ainda precisa estar conectado à uma fonte de energia (e pode ser o USB da sua TV); para isso você encontra na caixa um cabo de alimentação, além de um adaptador de tomada para caso sua TV esteja sem USBs disponíveis.

Sem esses cabos todos, "nu e sozinho", ele pesa aproximadamente 32g.

Junto com o a peça temos um controle com funções Android, além de controle de mídia e um direcional físico. Ele usa duas pilhas AAA (inclusas).

Vale notar que esse controle não tem nada a ver com o "Alexa Voice Remote", controle que acompanha o Fire Stick à venda lá fora no site da Amazon. Esse controle aqui não faz pesquisas por voz, e nem mesmo traz o botão superior dedicado.

Ele literalmente faz juz ao nome "Fire TV Stick B-a-s-i-c Edition". Uma pena, mas sabemos que a assistente "Alexa" da Amazon também não tem representação no Brasil também.

ESPECIFICAÇÕES

Dentro deste pequeno objeto que vai conectado na sua HDMI temos uma espécie de smartphone Android modificado de baixo custo. Ali estão presentes:

  • Chipset Mediatek
  • CPU Quad-core (1.3 GHz)
  • GPU Mali 450 MP4
  • 1GB de RAM
  • 8 GB de armazenamento interno
  • WiFi a/b/g/n/ac
  • Bluetooth 4.1
  • Suporte Dolby Audio 5.1

Apesar da impressão que estas especificações dão, o aparelho não roda Android TV, e sim uma modificação Android chamada Fire OS (não confunda com Firefox, é "Fire" mesmo, da linha de tablets Amazon e afins).

USABILIDADE e DESEMPENHO

Para iniciarmos nossa seção de uso prático do aparelho, temos as limitações da customização Amazon (e suas vantagens também). Ao compararmos o Fire Stick com o Chromecast temos logo de cara a vantagem de que a solução da Amazon tem um menu visual e controle físico, funções completamente ausentes no Chromecast, que usa seu celular para absolutamente toda a interação e seleção de conteúdo.

No uso do Fire Stick você terá uma tela inicial, totalmente baseada em cards e que lembra bastante o que o Android TV já foi nas versões anteriores.

Você deve ter notado esses "banners" gigantes na tela; eles são focados nas soluções proprietárias da Amazon, criando esses cards gigantes dos conteúdos que não são apenas do seu Netflix. Um clique neles leva para os APPs relacionados, como o History e entre outros, sendo que existem opções não estão disponíveis para contas brasileiras da Amazon.

Você notará ainda que boa parte dos conteúdos que pulam na sua frente são "estímulos" ao uso do Amazon Prime Video e soluções endossadas pela Amazon ou que são próprias da empresa, sendo uma mensagem sutil de que "um Fire Stick é mais interessante para quem usa os serviços Amazon".

Como roda o Fire OS, ele não conta com Play Store (e temos uma espécie de Amazon Store no lugar). As opções são limitadas, tal como Smart TVs, afinal os desenvolvedores precisam refazer seus apps para mais esse subsistema baseado em Android.

Você pode sentir falta de algumas das suas opções disponíveis para Android TV e Apple TV, ou mesmo notar que os aplicativos que rodam no Fire Stick são versões adaptadas com menos recursos ou mesmo com interfaces diferentes do que é esperado nos grandes sistemas de TV.

E espelhar seu celular para suprir a falta de alguma coisa é algo pouco interessante. O Fire Stick usa miracast, tecnologia que funciona, porém no modo "loteria". Seu telefone pode ter excelente compatibilidade... ou não. O método do Chromecast é bem mais estável, mesmo em telefones não suportados (onde você opta pelo app "home" o espelhamento).

Para ver vídeos do Netflix, Crunchyroll e afins, além de ouvir música... é ideal o que temos no Fire Stick; porém Mediatek na maioria das vezes indica chips de baixo custo, e temos nesse daqui um chipset consideravelmente fraco, tendo lentidão em alguns games e certa espera na abertura de alguns apps.

Pode-se notar também que o sistema compensa isso priorizando o fechamento dos processos de fundo sempre que você troca de app ou volta para a tela inicial, necessitando assim de uma total reabertura de qualquer coisa, mesmo que você tenha a usado um minuto atrás.

A ideia nem é que isso seja um console, mas é bom avisar os mais entusiastas do uso básico para qual a plataforma é voltada no caso do Fire TV Stick Basic Edition.

Comentamos que é uma solução fechada, com APPs reprogramados específicos da plataforma e tal, mostrando-se uma solução de streaming muito mais voltada para conteúdo Amazon do que qualquer coisa...

Porém, você notou que não mencionamos "ver vídeo no YouTube" com ele? Infelizmente há um motivo para isso.

A Google declarou que removerá o suporte ao YouTube no sistema Fire TV (matando o APP nos dispositivos Fire de streaming, como esse).

Isso é parte da longa guerra entre Amazon e Google que tem durados bons anos, e ambos os lados se enfrentam com soluções concorrentes da outra, e com guerras de "vendo/não vendo" seu produto.

Sendo assim, 2018 será um ano sem YouTube no Fire Stick se as coisas se mantiverem assim, e se você assim como nós achou a plataforma inclusiva para quem precisa de controle remoto e não gosta do Chromecast, fica agora um futuro prego no possível caixão do Fire Stick com sua funcionalidade reduzida. 

VALE A PENA?

Preço: R$ 289,00. Vale a pena? Depende do que você quer.

Pessoas mais velhas tendem a necessitar de controles, e temos diversos relatos de pais e parentes mais velhos do pessoal do Canaltech que não usam os Chromecasts que ganharam, pois não tem controle remoto, e por isso usam Android TV, Apple TV ou similares que navegam por controle. Daí vem essa alternativa relativamente "barata" que é o Fire Stick.

Daí vem a dúvida: com os R$ 289,00 necessários para comprar o Fire Stick, você consegue comprar o Chromecast 2 aqui no Brasil sem problemas em lojas conhecidíssimas, pagando de R$ 150,00 a R$ 200,00 dependendo da sua preferência pelas lojas.

Chromecast não tem menu, porém é compatível com centenas de aplicativos que já estão instalados no seu celular. A desvantagem é não ter menu nem controle remoto, ficando isso por conta do seu já presente smartphone ou PC para selecionar e enviar as coisas. O Fire Stick resolve isso tudo, porém diminui os apps disponíveis.

Ele fica no meio termo entre um adaptador de mídia sem fio e um aparelho para TV mais completo (como a Apple TV e a Xiaomi Mi Box, ambos aparelhos com vídeo aqui no Canaltech).

Nós aqui do Canaltech recomendamos que você vá de Chromecast, que tem o melhor custo-benefício de tudo que citamos aqui, porém você abre mão do conforto de um controle.

Gostou desse vídeo?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.