Análise: Nero 2015 Platinum

Por Pedro Cipoli
photo_camera Pedro Cipoli/Canaltech

Assim como os CDs, DVDs e Blu-rays estão se tornando segmentos cada vez mais nichados de mercados, ainda que em uma menor escala, a popularização cada vez mais acelerada dos serviços de streaming está diminuindo a fatia de mercado antes reservada às mídias físicas, o que acontece tanto pela simplicidade (basta abrir a Netflix e começar a assistir) quanto pelo custo final.

De qualquer forma, o mercado de mídias físicas ainda está presente e ficará entre nós por um bom tempo, em especial pelos puristas que gostam de ter a sua biblioteca física de filmes, o que elimina a necessidade de uma conexão com a internet. Pensando nisso, a Nero disponibilizou a sua nova versão 2015, que vamos conhecer nas próximas linhas, e por mais que boa parte do que já era oferecido na versão 2014 Platinum ainda esteja presente aqui, a empresa adicionou algumas mudanças importantes.

Nero 2015 Platinum

A mesma tela inicial do Nero 2014. Ainda não é possível redimensionar o tamanho.

Antes de falarmos das novidades, vale mencionar o que continua igual. Ainda que muitos vejam o Nero somente como um programa especializado em queimar DVDs, as novas versões são suítes completas, nas quais o Burning ROM, programa mais conhecido, é somente um entre uma dúzia de módulos igualmente importantes. A estratégia é excelente, já que o usuário tem acesso a todos os programas necessários para realizar qualquer tipo de personalização em seus arquivos.

Nero 2015 Platinum

No caso, mandamos o MediaHome reproduzir um vídeo em um smartphone.

Temos também um foco maior em entretenimento, já que o Nero inclui uma série de apps para streaming local de música e filmes. Temos o MediaHome Receiver, que conecta o PC e um smartphone (por exemplo), de forma que um controla a reprodução de arquivo em outro, suportando o acesso ao catálogo de ambos os dispositivos. É uma forma de Plex da Nero, por assim dizer, e facilita bastante a vida de quem quer todos os seus dispositivos conversando uns com os outros.

Nero 2015 Platinum

Sentimos aqui o mesmo problema do MediaHome do Nero 2014: o catálogo formado pelo programa nem sempre ajuda a achar o vídeo que você estava procurando.

O MediaHome Receiver é uma parte do MediaHome, o “app-pai”, e ele se mostrou exatamente o mesmo da versão anterior, com exatamente os mesmos problemas de catálogo da versão 2014. Para quem tem muitos arquivos, ele basicamente lista todos eles em uma janela só, de uma forma que fica quase impossível achar o que você realmente está procurando. Esperávamos uma melhoria no algoritmo de descoberta de novos arquivos aqui, com um melhor uso das tags, mas não foi o que aconteceu.

Para nós, o Nero Video (junto com Recode e WaveEditor) são os apps mais poderosos inclusos na versão Platinum. A versão 2014 já trouxe suporte para edição de vídeos em 4K, além de se tratar de um software bastante intuitivo, e permite um bom controle do usuário ao organizar conteúdo, tratar e editar áudio, dividir um filme em capítulos, tudo isso sem exigir um conhecimento de edição de vídeos mais avançado.

Nero 2015 Platinum

Não tem muito o que falar aqui, pois trata-se da tela inicial do Burning ROM utilizada pelo Nero há anos.

Vale lembrar aqui que o Nero Video NÃO É um concorrente direto de editores profissionais de vídeo, como Premiere Pro, Vegas ou PowerDirector. Isso não é só normal, como esperado, já que o foco é edição para gravação em discos como DVDs e Blu-rays. Ele foi projetado para isso e, nesse sentido, funciona muito bem, trazendo uma boa quantidade de Menus que podem ser incorporados ao filme com pouca ou nenhuma dificuldade, além de trazer uma boa margem de controle ao usuário.

Tivemos acesso ao Content Pack, um pacote de arquivos de mídia com layouts prontos que é quase 3 vezes maior do que o próprio instalador do Nero. Não sabemos se ele está disponível para todos que comprarem o Nero 2015 Platinum (deve estar), mas é uma adição e tanto ao programa, com vários menus, layouts de capas de DVDs e BluRays e uma série de outros perfis prontos de edição.

Nero 2015 Platinum

Atualizações constantes ao estilo Adobe.

Um dos apps de que mais gostamos da versão 2014 Platinum também está aqui: é o Blu-ray Player, ainda que visualmente sem alterações. Ele permite a reprodução de arquivos ISO extraídos de um Blu-ray, ou mesmo de uma pasta contendo os arquivos individuais (vários M2TS) sem necessitar de configurações extras. Quem já extraiu e descomprimiu um DVD ou Blu-ray já viu que não se trata de um arquivo único, mas de uma boa quantidade deles, e o Blu-ray Player faz todo o trabalho pesado de reproduzir tudo isso como se fosse um tocador de BluRay físico.

Nero 2015 Platinum

Ao instalar, o Nero já pede o serial. Ainda assim, precisamos ativá-lo com frequência, dependendo do app que abre (no caso, o Nero Video).

Não vamos nos ater tanto a descrever o Burning ROM e o Nero Express, pois ambos são, no mínimo, bastante parecidos com os disponíveis na versão 2014 (senão exatamente os mesmos), sendo dois apps que não recebem upgrades significativos há um bom tempo. Aqui entre nós, nem é necessário, já que não há tantas novidades e atualizações no mundo de gravação de DVDs e Blu-rays.

Ok, e o que há de novo? O que a versão 2015 oferece de realmente interessante que interesse aos usuários do produto a ponto de mexer no bolso e realizar o upgrade? De uma forma bastante simples: suporte para dispositivos móveis. A licença do Nero inclui, além dos programas que citamos acima, uma boa quantidade de apps, além do já conhecido Nero BackItUp, uma espécie de “Dropbox do Nero” para backup de arquivos na nuvem, grátis para todos os usuários com até 5 GB de armazenamento (inclusive utilizado pela Dell em seus Dell Backup).

Nero 2015 Platinum

Nero Recode: permite tocar arquivos em outros dispositivos mesmo que eles não suportem o codec utilizado.

São vários apps, que repetem o mesmo erro da versão desktop do programa. Na versão 2014, criticamos a modularização do programa, não pela divisão de apps em si, que é sempre bem vinda, mas pela forma como é feita. A instalação do Nero demora um bom tempo e lota o PC com novos programas, e mesmo que exista uma janela central com todos eles (primeira imagem deste artigo), é uma organização para lá de ruim.

Em primeiro lugar, não é possível redimensionar a janela, que abre em tela cheia e fecha imediatamente após a abertura de um programa. Para uma suíte que tem entre os seus maiores trunfos a integração entre os diferentes apps, essa é uma péssima forma de apresentação para o usuário. Os apps móveis seguem o mesmo problema, só que de uma forma pior. Contamos 11 diferentes apps na Play Store: jura que o usuário deve instalar tudo isso para utilizar todos os recursos?

Estão aí duas melhorias que esperamos para a próxima versão: um app que modularize tudo com apenas uma instalação e uma tela inicial do Nero para PC melhorada. Voltando: entre os apps que merecem destaque, temos o AirBurn, que diminui a quantidade de passos entre gravar um vídeo com a câmera do smartphone e a gravação em um DVD/BluRay para 5, já incluindo conversão de vídeo com o Nero Recode, edição com o Nero Video e criação de menus e layouts.

Junto com o app MediaHome Receiver, que citamos acima, temos as duas funções que podem aguçar o interesse de quem tem uma versão anterior. Entre a (desnecessariamente grande) lista de apps para Android, temos os que terminam com “Manual”, que explicam, através de vídeos, cada uma das funções que descrevemos acima.

A versão para PC também inclui uma boa quantidade de tutoriais, com vídeos rápidos explicando como usar qualquer um dos apps do Nero 2015 Platinum. Essencialmente, é uma interface organizada com vídeos hospedados no YouTube, acessados via streaming e não inclusos na instalação do programa. Mesmo assim, ensinar como usar virtualmente qualquer função da suíte de fábrica é um feature e tanto, não obrigando novos usuários a pesquisar na internet.

Conclusão

A versão Nero 2015 Platinum que testamos sai por R$ 269, sendo possível adquirir a versão Nero 2015 Classic (antiga versão “Standard”) por R$ 199, mas que não inclui: Blu-ray Player, edição e suporte de vídeos em 4K, suporte a alguns temas e conversão de vídeo. Sinceramente, para quem se interessa pelo Nero, acreditamos que seja uma diferença de preços muito pequena para ter acesso aos recursos mais bacanas da versão PC, em especial pela parte dos Blu-rays, já que habilita qualquer PC com hardware suficiente a se transformar em um tocador de Blu-rays.

Ainda assim, o upgrade aqui vale para quem se interessar pelos apps móveis, como o Nero AirBurn e o MediaHome Receiver, e o suporte a eles é garantido também na versão Classic. São upgrades interessantes, já que o suporte a dispositivos móveis é essencial para qualquer produto que queira permanecer relevante, mas que, para nós, são apps que ainda estão em seus estágios embrionários, em especial pela organização (11 apps não, né?).

O Nero precisa melhorar a forma de apresentação de seus módulos tanto na versão PC quanto no Android e iOS, já que não são todos que estão dispostos a instalar tantos apps (nós, por exemplo, não estamos), cada um deles tão modularizado que raramente será aberto. Outro ponto é o algoritmo de organização do MediaHome para grandes quantidades de músicas e filmes, que torna impossível achar o arquivo correto sem um belo tempo procurando. Talvez no Nero 2016 Platinum, né?

Vantagens

  • O bom e velho Nero, com integração cada vez melhor;
  • Consumo significativamente menor de recursos do PC;
  • Integração com apps do Android e iOS.

Desvantagens

  • Verdade seja dita: quem tem a versão 2014, 12, ou até mesmo anteriores, não verá lá grandes mudanças que valham o upgrade, dependendo do uso;
  • O Nero precisa realmente melhorar a tela inicial de todos os apps, e criar um app unificado para smartphones.