Record, SBT e RedeTV! devem deixar TV a cabo nesta quarta-feira (29)

Por Redação | 29.03.2017 às 09:53

Os sinais digitais dos canais abertos SBT, Record e RedeTV! deixarão a grade das operadoras de televisão à cabo em algum momento desta quarta-feira (29). O desligamento acontece devido à falta de acordo entre a Simba Content, que representa os interesses das emissoras, e empresas como NET, Claro e Sky, em relação a pagamentos relacionados à distribuição de seus conteúdos.

Em comunicados que vem sendo exibidos desde o último final de semana, os canais já vinham alertando seus espectadores sobre a mudança e tentando gerar certa pressão entre consumidores e as empresas. A Simba Content também lançou a hashtag #queremoscontinuarcomvc, veiculando os anúncios também nas redes sociais.

A mudança acontece a partir do desligamento do sinal analógico na região metropolitana de São Paulo, também marcado para acontecer nesta quarta-feira (29). Antes disso, as emissoras eram obrigadas a fornecerem seus sinais gratuitamente. Agora, entretanto, exigem pagamentos como os concedidos a canais nacionais – e até mesmo alguns internacionais. Para justificar, alegam ser responsáveis por cerca de 20% da audiência dos assinantes da TV paga, além de representarem alguns dos maiores canais de televisão do país.

Em contrapartida, a Associação Brasileira de TV por Assinatura disse que as operadoras de TV por assinatura não receberam propostas da Simba e que a decisão de remover o sinal estaria sendo tomada de forma arbitrária. Entretanto, nesta terça-feira (28), ambas se sentaram para negociar, mas os resultados da conversa ainda não foram revelados. Pelo menos até segunda ordem, o sinal será efetivamente desligado hoje.

Enquanto não existir acordo, os espectadores poderão assistir aos canais utilizando antenas e conversores digitais que estão plenamente disponíveis no mercado. O sinal das emissoras é aberto e apresentado em alta definição, mas pode não estar disponível em todas as localidades devido a problemas de recepção ou ausência de retransmissoras locais.

Fonte: Folha de S.Paulo