Ministério das Comunicações pode adiar desligamento do sinal analógico de TVs

Por Redação | 07 de Outubro de 2015 às 11h06
photo_camera Divulgação

O novo ministro das Comunicações, André Figueiredo, agradou ao público ao tomar posse do cargo e listar suas principais prioridades no comando do ministério. Entre elas estão a migração de rádios AM para FM, a ampliação do acesso à internet e a migração da TV Digital. Porém, neste caso, a intervenção do ministro parece ser no sentido de adiar o cronograma estabelecido para o desligamento do sinal analógico.

Segundo Figueiredo, "na TV Digital existe uma demanda de que seja postergada, um apelo do setor, da própria radiodifusão, para que a gente não prejudique, para que os brasileiros sem acesso a equipamentos não acabem ficando sem TV aberta".

O cronograma prevê que a primeira cidade a ter os sinais desligados por completo seja Rio Verde, em Goiás. Sendo assim, a partir do dia 29 de novembro, só vai continuar assistindo televisão na cidade quem tiver um televisor capaz de receber os sinais digitais, ou pelo menos um conversor que dê essa capacidade mesmo para equipamentos mais antigos, incluindo os de tubo.

No entanto, o prazo pode ser adiado, visto que levantamentos feitos na cidade indicam que um quarto dos domicílios não estará pronto na data, seja porque irá buscar uma solução somente após o desligamento do sinal analógico, ou porque não tem intenção de migrar nem depois disso. Para que o desligamento completo do sinal analógico possa acontecer, é preciso que pelo menos 93% dos domicílios estejam preparados para o recebimento da transmissão digital.

"Sabemos que temos dificuldades e queremos diálogos para encontrar soluções para que alguns não fiquem sem sinal", disse Figueiredo.

Em outro ponto, o ministro indicou que não se verá muito avanço no campo de um marco regulatório da comunicação eletrônica. "Nada de regular a mídia. Vamos procurar aperfeiçoar a legislação, mas sempre com muito diálogo", afirmou Figueiredo.

O novo ministro também destacou a migração das rádios AM para FM, ponto que agradou bastante os que estavam presentes no auditório do Ministério das Comunicações. Ele defendeu que a mudança de sinal deve acontecer "com um sistema de tarifa justo". Cerca de 1,3 mil rádios com sinal AM já fizeram o pedido de migração para o FM, mas ainda não foi definido o valor da tarifa de mudança.

Via Convergência Digital

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=40822&sid=8