Vivo cria núcleo de BI e Big Data em departamento com 120 profissionais

Por Redação | 26.07.2016 às 06:41

Anunciado pela Vivo nesta segunda-feira (25), o Vivo Data Labs é a nova criação da operadora no segmento de business intelligence (BI) e Big Data. O departamento contará com 120 profissionais, dos quais 49 são cientistas de dados, e dados colhidos e analisados pela equipe serão usados em projetos nas áreas de redes, comercial e marketing da operadora.

Em 2015, a companhia conseguiu aumentar em dezoito vezes sua capacidade de processamento de informações, e para 2016 pretende multiplicar essa capacidade em 87 vezes. “Essas ferramentas nos permitem analisar o comportamento de clientes no uso de serviços de telecomunicações, assim como explorar toda malha de informações de redes fixa e móvel, e gerar ações comerciais ou operacionais para melhorar a experiência do assinante - sempre respeitando sua privacidade”, declarou a empresa em uma nota enviada à imprensa. “As informações são analisadas de forma agregada e sua análise leva também as ações para o grupo, e não individualizadas”, explica.

Essas informações analisadas são alterações no volume do tráfego de internet e voz em determinada região, ou ainda o aumento na qualidade de ligações para o call center, bem como informações sobre tipologia da rede e dados geográficos que indicam locais com maior incidência de problemas, desde furtos a rompimentos de cabos.

O Big Data será usado, por exemplo, para identificar e solucionar problemas massivos na rede fixa (que contempla voz e dados). Na prova de conceito, que foi realizada no início do ano, o projeto reduziu em 70% o tempo de identificação e solução desse tipo de problema, com mais de 85% de precisão no diagnóstico. Outro projeto em andamento diz respeito à otimização e dimensionamento de rede móvel, também com o objetivo de melhorar a experiência do assinante.

A Vivo vem usando, ainda, a técnica estatística Machine Learning de computação cognitiva - que ensina o computador a analisar informações e a gerar insights. A tecnologia vem sendo aplicada há cerca de seis meses em algumas frentes como o Next Best Action (que acompanha o ciclo de vida do cliente para antecipar suas necessidades), e a Predição de Churn (tomada de medidas para evitar que o cliente cancele seu contrato com a empresa).