Velocidade das redes móveis brasileiras cresceu 14,71%

Por Redação | 29 de Setembro de 2016 às 18h56

A média de velocidade na banda larga móvel dos brasileiros no segundo trimestre de 2016 teve um crescimento de 14,71% em relação aos três primeiros meses do ano, chegando à uma velocidade de 3,9 Mbps.

Segundo o estudo State of the Internet da Akamai, que analisou as velocidades de internet móvel em diversos países da América Latina e do Norte, o Brasil ficou com uma velocidade de 19,9 Mbps quando se trata de picos de velocidade, um crescimento de 4,19% em relação ao primeiro trimestre.

Para fins de comparação, no Peru a velocidade média móvel é de 6,9 Mbps, com pico de 72,1 Mbps em média. A Argentina tem uma velocidade média de 2,8 Mbps e picos médios de 24,4 Mbps. O México foi o destaque quando se fala de média de picos na velocidade, com 108,1 Mbps, maior até que os Estados Unidos (33 Mbps) e Canadá (67,5 Mbps).

Para seu ranking, a Akamai usa também a métrica de tempo de carregamento de página Web na rede móvel comparado ao tempo na banda larga fixa. No Brasil, o tempo médio de carregamento no mobile é de 5.698 ms, enquanto que na fixa esse tempo fica em 4.453, uma proporção de 1,3x na comparação entre fixa e móvel.

Esta proporção, chamada de "penalidade móvel" é maior em outros países, como Panamá (1,6x), Argentina (1,5x) e Canadá e Estados Unidos (ambos em 1,4x). Com 1,3x o Brasil fica igual à média mundial. Mesmo assim, a métrica pode engnar, já que a velocidade média móvel brasileira para carregar páginas perde para o Panamá (4.946 ms), Argentina (6.034 ms), Canadá (4.053 ms) e Estados Unidos (3.787 ms).

Antes que alguém queira dizer que a internet brasileira seja boa, a Akamai frisa que uma diferença menor entre conexões fíxas e móveis nem sempre apontam maior velocidade. Segundo a empresa, isso aponta isso como uma característica em países que dependem mais das redes móveis. "Essa taxa não deveria ser tomada como comparação pura de velocidades móveis versus de banda larga (fixa), já que essas velocidades são apenas um fator na experiência geral do usuário", apontou a empresa no estudo.

Fonte: Telessíntese