Uso de celulares pré-pagos no Brasil apresenta queda em 2016

Por Redação | 17 de Janeiro de 2017 às 13h40

Há alguns anos, o encolhimento da base de celulares pré-pagos tem acelerado no Brasil. Em 2016, o país terminou o ano com um total de 165 milhões de linhas, 20 milhões a menos do que no ano anterior.

Os números indicam que a participação do pré-pago no total de celulares do Brasil, que já foi de 83% em 2009, vem caindo nos últimos quatro anos e atingiu 67% em dezembro de 2016, conforme dados preliminares divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Estimativa da Teleco baseada em dados preliminares da Anatel para dez/16

As quatro principais operadoras de telefonia móvel do país foram afetadas, mas a Claro foi a que mais sentiu a queda durante 2016. Foram 5,4 milhões de linhas pré-pagas a menos do que em 2015. Já a Oi viu o número de perdas nos planos pré-pagos subirem de 2,4 milhões em 2015 para 3,2 milhões em 2016.

Dentre os vilões apontados como responsáveis pela queda no número de adeptos do modelo pré-pago estão o abandono do segundo chip nos aparelhos e a adoção cada vez maior de aplicativos móveis como o WhatsApp. Estima-se que as perdas devem continuar em 2017, mas com um volume menor do que o visto no ano anterior.

Via Teleco