TIM é notificada por cobrança indevida em serviço de backup na nuvem

Por Redação | 11.12.2015 às 15:50

O Instituto de Defesa do Consumidor anunciou ter notificado a TIM pela cobrança indevida de R$ 7,90 mensais de seus clientes pré-pagos, em troca de um serviço de backup de arquivos na nuvem. De acordo com o Idec, a exigência de pagamento é irregular, pois é realizada sem que os clientes sejam notificados ou tenham contratado seu uso, o que, em muitos casos, nem mesmo foi oferecido a eles.

A mensalidade diz respeito ao Tim Protect, um sistema de upload automático de documentos, fotos e vídeos em servidores de cloud computing da empresa. A ideia é não apenas garantir que os dados estejam seguros em caso de roubo ou perda de aparelhos, mas também permitir a integração entre smartphones, tablets e celulares, além de facilitar o compartilhamento de informações com os amigos. O valor de R$ 7,90 se refere a uma assinatura do serviço e 10 GB de espaço na nuvem.

O Idec pede que a TIM esclareça por que motivo a cobrança está sendo feita e apresente a autorização dada pelos clientes para retirada deos créditos. Para a organização, a exigência indevida de pagamento vai contra o Código de Defesa do Consumidor em pelo menos três pontos, já que além de ter começado a cobrar seus usuários sem autorização, ela também não realizou o estorno em dobro quando alguém solicitava o cancelamento do serviço e a devolução dos valores.

Uma pesquisa online pelo TIM Protect mostra, além da própria página do serviço no site da operadora, apenas reclamações sobre cobranças indevidas, com valores que vão de R$ 5,90 a R$ 14,90 ao mês. De acordo com o Idec, caso o pagamento irregular esteja sendo feito por apenas 10% da base de usuários da empresa, ela estaria lucrando cerca de R$ 41 milhões por mês com a prática.

Em resposta, a operadora disse ter recebido a notificação do órgão e que irá analisar a solicitação, voltando a falar sobre o assunto nos próximos dias. Aos usuários que se sentirem lesados, a recomendação é que entrem em contato com a central de atendimento para solicitar o cancelamento e devolução dos valores cobrados indevidamente.

Fonte: Mobile Time