Regulamentação irá impactar no design e na implementação das redes 5G

Por Redação | 24 de Agosto de 2017 às 13h29

O design e a implementação das redes 5G devem ser afetados diretamente pela regulamentação que tem como objetivo garantir que essas redes continuem suportando os atuais serviços governamentais e de emergência. Essa é a constatação do relatório Análise de Políticas Regulatórias da 5G e Frequências Compartilhadas, divulgado pela 5G Americas, associação setorial e voz da 5G e LTE nas Américas.

O relatório, escrito pelos líderes Peter Musgrove e Brian Daly, da AT&T, em conjunto com representantes de companhias membros do Conselho da 5G Americas, coloca em pauta dois aspectos importantes para a implementação e utilização das redes 5G: o compartilhamento de frequências e a regulamentação. No primeiro quesito, o relatório detalha as tecnologias de interface de rádio 5G, incluindo a NR (New Radio) da 3GPP, enquanto que no quesito regulamentação, o relatório fala sobre os principais aspectos e aqueles considerados mais importantes pelas autoridades e especialistas da área.

"No passado, o setor de mobilidade sem fio forneceu serviços de segurança pública que são importantes para a nossa sociedade. O setor ainda está desenvolvendo suas recomendações para manter a prestação destes serviços e o relatório esclarece esse processo", afirmou Chris Pearson, presidente da 5G Americas. Os sistemas 5G devem ir muito além de suportar os serviços públicos e de emergência, visto que deverão oferecer velocidades de conexão mais rápidas, maior capacidade de rede e mais confiabilidade. Estes são fatores importantes para a comunicação entre veículos, que deverá ser uma das grandes inovações nas próximas décadas.

A 5G Americas também apresenta em seu relatório as evoluções mais destacáveis quanto à regulamentação e frequências de 2017, incluindo impactos da 5G para sistemas de alerta para terremotos, 5G na segurança pública, redes 5G e vigilância lícita, aspectos do compartilhamento de frequências, 5G para serviços de emergência e recursos 5G para pessoas com necessidades especiais.

Além disso, a Análise de Políticas Regulatórias da 5G e Frequências Compartilhadas avalia os vários aspectos do compartilhamento de frequências e define que o sistema 5G opera melhor com grandes faixas de frequências. Ainda que o acesso exclusivo a essas frequências esteja sob o controle das grandes redes públicas, a capacidade de acessar frequências adicionais compartilhadas com outros usuários permitirá abrir novos recursos que irão garantir as capacidades e velocidades que os usuários da tecnologia esperam. As frequências compartilhadas permitirão também que empresas e empreendedores construam novos negócios que antes eram inviáveis pela limitação das conexões.

Fonte: 5G Americas