Por suspeita de traffic shaping, Claro terá de explicar problemas com Pokémon GO

Por suspeita de traffic shaping, Claro terá de explicar problemas com Pokémon GO

Por Redação | 12 de Agosto de 2016 às 19h08

E a Claro segue tendo dores de cabeça por conta de Pokémon GO. Embora o problema registrado por seus clientes que impedia o acesso ao game por meio de suas redes 3G e 4G já tenha sido resolvido, a operadora foi notificada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) por conta do ocorrido. A entidade quer mais detalhes sobre o tal erro, principalmente após as suspeitas de que a empresa estava realizando traffic shaping — ou seja, controlando o tráfego e impedindo que seus usuários acessassem o aplicativo.

A notificação foi feita nesta sexta-feira (12) e se baseia nas queixas feitas ao longa desta semana. De acordo com o Idec, as reclamações “sinalizam potencial de lesão ao Código de Defesa do Consumidor (CDC), ao Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações da Anatel e ao Marco Civil da Internet”. Este último, especificamente, é claro ao dizer que as operadoras não podem limitar o acesso dos usuários, independentemente do serviço em questão. Assim, se o traffic shaping for realmente confirmado, trata-se de uma violação direta ao que o Marco estabelece.

Assim, a entidade de defesa do consumidor pede para que a Claro explique exatamente o que aconteceu, apontando a razão do problema que impediu seus clientes de acessarem os servidores de Pokémon GO para que não restem dúvidas sobre a existência ou não da restrição de acesso.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Pokémon GO Claro

Segundo operadora, problema foi causado pela última atualização do jogo, liberada no início da semana

Além disso, o Idec afirma em sua notificação de que novas ocorrências do tipo forçarão o órgão a acionar as entidades responsáveis, como a Anatel, a Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor e o Ministério Público Federal para que medidas necessárias sejam tomadas contra a companhia.

A Claro nega a existência de qualquer tipo de controle de dados. Por meio de nota, a operadora afirma que a origem do problema foi mesmo a atualização liberada pela própria Niantic no início da semana, o que acabou resultando em dificuldades de conexão por parte de alguns usuários. Contudo, apesar de toda a dor de cabeça, a situação já foi normalizada e todos os seus clientes já podem acessar normalmente os recursos de Pokémon GO.

Fonte: UOL

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.