Siga o @canaltech no instagram

Operadoras não conseguirão atender demanda por internet em 2020, afirma estudo

Por Redação | 13 de Abril de 2016 às 18h30
Tudo sobre

Opera

Saiba tudo sobre Opera

Ver mais

Um estudo conduzido pela Bell Labs Consulting afirmou que as operadoras de telecomunicações não serão capazes de atender a demanda mundial por internet em 2020. Em quatro anos, 19% da demanda global não poderá ser atendida e a saída para evitar este problema seria o aumento dos investimentos na rede 5G e também na computação na nuvem.

A pesquisa identificou cinco grandes áreas de aplicações: streaming, computação, armazenamento, jogos e comunicação. Destes, o streaming de áudio e de vídeo são apontados como os grandes comilões da rede e, juntos, devem representar 79% de todo o tráfego mundial da internet em 2020. Entre 66% e 74% de todo este volume de tráfego será de origem caseira.

Daqui a quatro anos, 67% do tráfego mundial será realizado por meio do WiFi, com outros 14% sendo contemplados por alguma rede móvel (3G, 4G ou a vindoura e necessária 5G). Além disso, o estudo concluiu ainda que o consumo de conteúdo digital e serviços mobile vai crescer em média de 30 a 40 vezes entre 2014 e 2020.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Em paralelo à criação da rede 5G, a solução para o problema passa também pelo investimento na nuvem por meio de conceitos como o de virtualização das funções de rede (NFV, na sigla em inglês) e o de redes definidas por software (SDN). Por fim, a adoção de novos modelos de negócios capazes de superar este desnível entre demanda e oferta também deve ser levado em conta pelas operadoras.

Internet das Coisas

Um fator que pesa muito no risco da demanda por internet não ser suprida é a Internet das Coisas (IoT). A tendência é que exista cada vez mais dispositivos conectados à rede e trabalhando de maneira integrada, indo além de smartphones, consoles, TVs e computadores, e passando por utensílios básicos do nosso dia a dia. Diante disso, espera-se que o número de dispositivos conectados vá de 1,6 bilhão em 2014 para algo entre 20 e 40 bilhões em 2020. A aposta é que o grande responsável por este aumento seja a ampliação do uso de sensores e câmeras.

Mesmo em curto prazo, a Bell Labs aposta que a Internet das Coisas causará um incremento significativo no consumo de internet. Por exemplo, um típico dispositivo de IoT demanda 2,5 mil conexões para consumir apenas 1 MB de dado, enquanto uma única conexão de vídeo via mobile pode consumir a mesma quantidade. Assim, conexões diárias geradas entre celulares e dispositivos IoT devem crescer de 16 para 135 vezes até 2020, alcançando um patamar três vezes maior do que o número de conexões geradas por pessoas.

Fonte: Bell Labs Consulting

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.