Operadoras de telefonia fixa perderam mais de 1,2 milhão de linhas em 2014

Por Redação | 12.03.2015 às 16:30 - atualizado em 02.08.2017 às 09:45

Segundo dados divulgados pela Agência Nacional de Telecomunicações, nesta quarta-feira (11), o Brasil encerrou janeiro de 2015 com cerca de 45 milhões de linhas de telefonia fixa ativas. Este número representa um acréscimo de 310,4 mil em relação a janeiro do ano passado. No primeiro mês deste ano, foram contabilizados 22,1 acessos em serviço para cada 100 habitantes.

Já as operadoras fecharam o mês de janeiro de 2015 com 27 milhões de linhas, o que representa uma queda de 1,29 milhão de linhas ativas em relação a janeiro de 2014. Cerca de 60% das linhas de serviço são de propriedade das concessionárias. A operadora Oi permanece na liderança deste mercado com 16,1 milhões de linhas ativas em janeiro de 2015. No mesmo mês do ano passado, a empresa contava com 17,2 milhões - novo número representa um decréscimo de 1,09 milhão de linhas ativas.

Já a Telefônica, que também opera com a Vivo no Brasil, aparece na segunda posição com 10 milhões de linhas ativas em janeiro desse ano. A companhia sofreu uma perda de 210,4 mil linhas em relação ao mesmo mês do ano passado, quando contava com 10,2 milhões de linhas operantes.

Com atuação no interior dos estados de Minas Gerais e São Paulo, a Algar Telecom aparece na terceira posição com mais de 715 mil linhas ativas em janeiro deste ano. Diferente das duas principais concessionárias, a Algar conseguiu ampliar sua participação no mercado contando com um aumento de 4.174 linhas no período de 12 meses. A Embratel, do grupo Telmex, aparece com apenas 1.522 linhas de telefonia fixa ativas em território nacional em janeiro de 2015. No ano passado esse número era de 1.440.

Se somado as linhas da Claro e da NET, o Grupo Telmex se destaca no serviço de telefonia fixa privada com 11,6 milhões de linhas ativas em janeiro de 2015. Já a GVT, adquirida pela Telefônica, aparece com 4,5 milhões de linhas operantes no Brasil. A TIM (Telecom Italia) desponta em seguida com pouco menos de 557 mil linhas ativas.

Em seu relatório, a ANATEL conta que embora as concessionárias ainda detenham 60% da participação das linhas ativas, as autorizadas apresentaram um crescimento e chegaram a 39,97%. No entanto, é válido lembrar que a NET é do grupo Telmex e a GVT agora pertence a Telefônica.

A agência também revelou que o programa de telefonia popular chamado de Acesso Individual Classe Especial (AICE) apresentou uma lenta adesão de janeiro de 2014 a janeiro de 2015. Este modelo, criado pelo Governo Federal, é disponibilizado para famílias do Cadastro Único dos Programas Sociais, que contam com acesso ao serviço de telefonia fixa em condições especiais, com assinatura reduzida, na faixa de R$ 15 e com franquia mensal de 90 minutos. As linhas desse programa fecharam o mês de janeiro de 2015 com 162,5 mil linhas ativas.

Outro dado informado pela ANATEL é referente aos orelhões. Em janeiro de 2015 eram 869.707 orelhões ativos no Brasil. Em janeiro do ano passado este número era maior, contabilizando 876.003 aparelhos. Isso significa uma redução de 6.296 orelhões que deixaram de funcionar no ano passado. Outras pesquisas credenciam a diminuição dos orelhões ao fácil acesso às linhas móveis no mercado atual.