Estabilidade do 4G no Brasil ainda deixa muito a desejar, aponta pesquisa

Por Redação | 18.01.2017 às 15:17
photo_camera Divulgação

Os brasileiros adoram a internet, mas isso não significa que temos uma estrutura maravilhosa no país. Apesar de apresentar algumas melhorias em relação aos últimos anos, o Brasil ainda enfrenta problemas de acesso, principalmente em relação ao sinal 4G.

Um relatório da OpenSignal, que observou 770 milhões de medições coletadas entre os meses de setembro e novembro de 2016 por 39.471 usuários de smartphones, mostrou que temos uma média de velocidade de conexão ao 4G (19.7 Mbps) superior à média global, de 2 Mbps. Mas quando o assunto é disponibilidade da rede móvel de quarta geração, o Brasil ainda está mais próximo do fim da lista, com apenas 53,86% de cobertura.

Outro problema é que as operadoras não conseguem oferecer conexões LTE consistentes por aqui. Nenhuma das empresas testadas conseguiu fornecer um sinal 4G estável por mais de 60% do tempo dos testes, e duas operadoras ficaram abaixo dos 50%. Em relação à disponibilidade, a TIM foi a campeã ao conseguir oferecer sinal LTE em 59,2% do tempo. A Vivo foi a segunda, oferecendo conexão de sucesso em 56,7% do tempo.

Um dos destaques do relatório ficou por conta da Claro, que foi listada como a melhor operadora no quesito velocidade de 4G, com uma média de 27,5 Mbps, mais de 5 Mbps a mais do que a Vivo, que ficou em segundo lugar. Já a Nextel, que não possui rede 4G, ficou à frente na categoria latência no 3G, enquanto no 4G o destaque para latência ficou com a Oi – lembrando que uma pontuação menor nessa métrica é sinal de uma rede mais responsiva.

Em suma, o estudo nos mostra que ainda há muito o que ser melhorado nas nossas redes móveis, principalmente no que diz respeito a oferecer uma conexão constante e sem quedas. De acordo com os números, nenhuma operadora ainda é realmente boa o suficiente para oferecer um acesso estável aos usuários.

Fonte: OpenSignal