Desligamento do sinal analógico para TV Digital será antecipado em MG e GO

Por Redação | 30 de Abril de 2015 às 16h30

O grupo de implementação da TV Digital, que reúne as empresas de telecomunicações, televisões e o governo, conseguiu definir a escolha das antenas e filtros utilizados na migração. Também já foram decididos os parâmetros de definição do público-alvo e como será a contabilização dos 93% de domicílios que podem receber a TV digital para que, então, seja feito o desligamento do serviço analógico.

Rodrigo Zerbone, coordenador do grupo Gired, responsável pela digitalização, diz que a pesquisa deverá identificar quem assiste a televisão aberta terrestre, seja por TV por assinatura, parabólica, ou os dois juntos. "Não entra na conta, ou seja, é neutro para o atingimento dos 93%, quem assiste exclusivamente TV por parabólica ou por TV por assinatura. Ou quem não tem televisão”, explica.

Será realizada também ao menos uma pesquisa em cada cidade a cada 60 dias, antes mesmo do desligamento dos sinais analógicos, período em que uma tarja na tela será inserida com a contagem regressiva. De acordo com um conselheiro da Anatel, com o passar do tempo e a sucessão de cidades, a companhia vai aprendendo qual é a maneira mais adequada de execução. "É natural que no início seja preciso fazer mais pesquisas para entender", afirma.

O grupo recomendou que o governo faça algumas mudanças no cronograma do desligamento dos sinais digitais de algumas cidades. Em alguns locais do interior e em metrópoles, especialmente em Goiás e Minas Gerais, haverá antecipação em datas diferentes do desligamento para evitar problemas de interferências com a ativação do 4G.

Zerbone comenta que a companhia está encaminhando ao Ministério das Comunicações uma recomendação sobre alguns ajustes na portaria que definirá o desligamento. "O cronograma básico das maiores cidades não foi mexido. Mas, por exemplo, Goiânia será desligada em 2016 e Anápolis seria apenas em 2018. Inicialmente pensou-se que o desligamento na capital não afetaria, mas depois avaliamos que poderia ter problema de interferência. Situação semelhante envolve Belo Horizonte e, em menor medida, Brasília”, relata.

Antenas e filtros também serão distribuídos aos beneficiários do Bolsa Família juntamente com os conversores, que ainda vão ser escolhidos. Esta definição envolve antenas UHF e UHF com VHF. Antenas externas e internas serão distribuídas para endereçar um problema identificado nos testes de riscos de interferência do 4G na TV digital e vice-versa.

Segundo os testes, as antenas internas são as mais suscetíveis a essas interferências. Está garantido que os filtros, responsáveis por minimizar estes problemas, serão distribuídos a todos os brasileiros que precisarem.

Fonte: Convergência Digital

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.