CenturyLink venderá data centers para bancar compra da Level 3

Por Redação | 04.11.2016 às 18:16
photo_camera Divulgação

A CenturyLink, empresa norte-americana de telecomunicações que anunciou esta semana a compra da empresa de redes e data center Level 3 por US$ 24 bilhões, deverá vender sua infraestrutura de data centers a fim de levantar fundos para a aquisição.

De acordo com a empresa de telecomunicações, a venda de seus negócios em data center e colocation podem injetar até US$ 2,15 bilhões nos cofres da companhia.

Segundo revelaram fontes à Reuters, um consórcio formado pelos fundos BC Partners, Medina Capital e Longview, que também participam da transação de compra da Level 3, ficará com os 57 data centers da Century Link ao final da transação. A expectativa é que o negócio seja fechado no primeiro trimestre de 2017.

A CenturyLink afirmou em nota que a venda de sua estrutura de data centers já estava prevista pela companhia antes da aquisição de Level 3. Entretanto, o dinheiro proveniente do negócio será de fato usado para reforçar o montante de US$ 24 bilhões que a fusão demandará.

A Level 3 é atualmente a segunda maior provedora de serviços Ethernet nos Estados Unidos e conta com o tráfego de empresas como Netflix e Google passando por partes de sua rede. Com a aquisição, a CenturyLink, que até agora ocupava a quinta posição da lista, avança consideravelmente na disputa pelo primeiro lugar do ranking, hoje ocupado pela AT&T. A

nalistas de mercado apontam que o movimento da CenturyLink "faz muito sentido" pelas ofertas complementares entre a empresa e a Level 3. Nos últimos anos, a companhia estava sofrendo com o avanço do competidores no setor de banda larga e de telefonia residencial e comercial - seus mercados mais importantes em regiões ccomo Phoenix e Seattle.

Com a Level 3 agora sob seu comando, a operadora ganha mais musculatura junto a distribuidores de conteúdo, também conhecidos como OTTs, que usam a infraestrutura da empresa para a entrega de serviços mais ágeis para consumidores.

Fonte: Reuters