Além de parabólicas, TV por assinatura pode ser empecilho para leilão do 5G

Por Wagner Wakka | 06 de Agosto de 2019 às 13h14
Divulgação
Tudo sobre

Anatel

Saiba tudo sobre Anatel

Ver mais

O leilão do 5G no Brasil pode passar por mais um desafio: o das operadoras de TV por assinatura. As companhias de telecomunicação estão receosas de que a chegada do novo padrão possa significar a morte do negócio.

Uma das possibilidades da chegada do 5G é que a transferência de dados fique, senão mais rápida, ao menos igual de comunicação por cabo, seja coaxial ou fibra óptica. Junto aos serviços de assinatura por streaming, este cenário poderia significar de vez o fim de pacotes de assinatura de internet para casa.

Isso pode significar uma boa perda de fatia de receita para as teles. A Claro, maior dentro do setor, conta com 49% do mercado de TV por assinatura, com Oi em segundo lugar com 9,5% e Vivo em terceiro com 8,7%.

Já há um projeto de lei em tramitação no Senado para permitir que canais de TV estrangeiros possam ser veiculados no Brasil totalmente pela internet. Caso isso aconteça, não será mais preciso assinar um pacote com vários canais para ter acesso a um em específico.

Este pode ser mais um problema para o já apertado cronograma da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A expectativa é de que o leilão do 5G aconteça já em março do ano que vem.

Embora não precise de anuência das empresas para fazer o leilão, as dificuldades podem resultar em menores rendimentos dos espectros eletromagnético. Ao perceber que as companhias podem ter prejuízos com investimentos neste novo padrão, elas podem se mostrar menos dispostas a pagar pelas faixas.

Atualmente, ainda não há um modelo definido para como o leilão será feito, mas é bem possível que siga o realizado nos leilões do 4G. Na época, o governo apoiou teles para compromissos em avanços no 3G se as companhias se mostraram dispostas a investirem no 4G. O total arrecadado foi de RS 12 bilhões.

A Anatel também passa por discussões relativas a interferências do espectro do 5G em transmissões de TV aberta por parabólica, sistema que pode afetar acesso em regiões rurais.

Tudo isso ainda pode fazer com que o cronograma de leilão para março do ano que vem não se realize. A própria Anatel já se mostrou preocupada com isso.

Fonte: Folha

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.