A distância próxima

Por José Otero | 25 de Julho de 2017 às 17h39

Uma das principais características do setor das telecomunicações é a sua capacidade de reinvenção. Às vezes dá a impressão de que em um momento preciso em que os especialistas começam a ditar a morte de algum de seus componentes, ressurge com uma força inesperada como se desejasse provar aos seus difamadores que estavam errados.

Um exemplo disto é a chamada por vídeo. Há apenas 15 anos, publicaram numerosas análises explicando sua rápida adoção na Coréia do Sul e Japão, enquanto que nas Américas o serviço passava desapercebido. Nesses anos, Max Weber parecia ter reencarnado na voz de especialistas da indústria que citavam fatores culturais como parte da explicação pelo fracasso das chamadas de vídeo por celular.

Sustentam seus argumentos nos fracassados da exportação de i-Mode até mercados europeus e precediam bombasticamente a morte da difusão da televisão por meio do celular antes que esta surgisse como serviço nos mercados asiáticos.

Eram outros tempos, eram outras histórias em um mundo que se encontrava superando o colapso da bolha de telecomunicações do século, o que provocou um tsunami de fusões e aquisições em toda a região. Foi tão forte o declive do número de atores do setor que em um evento organizado pelo Instituto das Américas, um analista alardeou frente às autoridades do Chile, Peru e Argentina que o contrário ao mencionado em minha apresentação, a concentração do setor apenas começava.

O argumento plausível neste momento focava-se nas enormes vantagens que ofereciam as tecnologias sem fio sobretudo quem tivesse uma TV paga. Escutavam como grandes profetas que alardeavam o rompimento do esquema competitivo tradicional por meio de tecnologias como WiMAX, LMDS e MMDS. O mundo dos cables era a pré-história e inevitavelmente estava condenado a morrer.

As leis da física junto a um pequeno detalhe chamado oferta e demanda encarregaram-se de aterrissar as promessas e moderar o discurso inovador. Enquanto isto ocorria, numerosas frequências de espectro radioelétrico ficaram sem receber ofertas pelo leilão que ocorreu em toda a região. No jogo da proximidade distante, blocos de 2,5 GHz ou 3,5 GHz não eram muito atraentes para a grande maioria das operadoras latino-americanas.

No entanto, a capacidade de regeneração da indústria foi a que transmitiu o fracasso do MMDS em massificar os serviços de televisão paga (que honraria o DTH) ou o WiMAX em ser uma tecnologia viável para serviços de banda larga fixa que a frequência de 2,5 GHz se converteria em estruturar o desenvolvimento da LTE no mundo. No passado, operadoras WiMax em meio à sua própria crise financeira expressavam grande interesse em projetos para idosos na América Latina, mas sem comprometer legalmente um centavo.

Agora a LTE parece cumprir todas as promessas feitas pelos velhos impulsionadores do WiMAX e as antigas propostas desertas da 2,5 GHz hoje em dia recolhem centenas de milhões de dólares para os cofres do governo na região.

Não obstante, a pergunta permanece, até quando estaremos atravessando o período de concentração na região? Tudo parece indicar que durante muitos anos, mas com um suplemento na região do Caribe, onde a possibilidade de uma concentração entre regulatórios potencializaria a ECTEL, aumentando sua associação para incluir mais governos que desejam ampliar o uso eficiente de ativos para estabelecer um ponto regulatório transparente e uniforme que seja válido em todos os mercados representados por este ente supranacional.

Enquanto isso ocorre, cada dia teremos menos operadoras tradicionais e um maior número de provedores de aplicações. Serão estes novos jogadores que dirigirão o futuro do setor nos próximos anos.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.