TIM quer implantar 4G na faixa de 700 MHz até as Olimpíadas de 2016

Por Redação | 12 de Dezembro de 2014 às 11h58

De olho nas Olimpíadas de 2016, a TIM quer lançar o 4G na faixa de 700 MHz o mais rápido possível. A companhia considera o desafio como uma "missão institucional" e algo que a operadora pode conseguir se solucionar "problemas teóricos que, na prática, podem ser menos relevantes".

As palavras, segundo o Tela Viva, foram ditas pelo vice-presidente de assuntos institucionais da TIM, Mario Girasole, ao se referir à interferência e ao cronograma de atuação. Para ele, um dos maiores desafios será a digitalização da TV, visto que, no Brasil, a questão envolve o set-top box (STB). "É algo que tem que se trabalhar, porque tem fornecedor e logística", disse o executivo.

Uma solução para o problema poderia sair de dentro da própria TIM, que possui o Blue Box, seu set-top box próprio. O problema na implantação do aparelho é que, devido a TIM não ser uma fabricante de produtos, o modelo poderia custar mais caro do que as demais soluções e afugentar o consumidor. Além disso, a proposta precisa ser aprovada pela Entidade Administradora do Processo de Redistribuição e Digitalização dos Canais de TV e RTV (EAD).

Uma outra saída para o problema é a "reintegração da logística do cronograma". Rodrigo Abreu, presidente da TIM, diz que a operadora tentará otimizar o cronograma com blocos de cidade que minimizam a interferência. Por isso, Abreu afirma que a limpeza da faixa aconteceria antes.

Ele também declara que as demais questões podem ser resolvidas sem grandes problemas e no prazo desejado pela telecom. "Se houver bom entendimento entre radiodifusão e operadoras, nada impede de se diminuir o prazo. Para ambos, quanto antes acabar a digitalização, melhor. Até porque tem outras razões adjacentes, como o (aumento do) interesse da TV aberta, que pode ser excelente para competir com a TV paga", explicou.

A ideia da operadora é iniciar a limpeza e a migração no bloco de municípios onde tecnicamente é possível ser mais eficiente na logística. A grande questão é na coexistência com a TV analógica. "A possibilidade (de acontecer interferência) no co-canal é muito grande", disse Abreu.

A vantagem para estabelecer o 4G na faixa de 700 MHz é que a Oi não estará presente, o que deixará canais sobrando e diminuirá as chances de interferência. O presidente da TIM disse que a coordenação também poderá estabelecer atividades de compartilhamento. "Nas cidades com menos de 100 mil habitantes, por exemplo, você coloca as três operadoras, até mesmo compartilhando frequência".

A TIM ainda não definiu quais serão os seus representantes no Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização dos Canais de TV e RTV (GIRED), mas eles deverão ser revelados até a próxima semana. Os candidatos a representar a companhia seriam o próprio Rodrigo Abreu, juntamente com Mario Girasole e Leonardo Capdeville, diretor de tecnologia.

É necessário que os executivos que sejam escolhidos sejam de alto nível, visto que precisarão tomar decisões durante as reuniões do GIRED. "Estamos falando de um investimento de R$ 3,6 bilhões, e isso pode acelerar o programa", afirmou Abreu.

Fonte: http://www.telaviva.com.br/11/12/2014/4g-tim-quer-antecipar-cronograma-e-lancar-700-mhz-nas-olimpiadas-do-rio/tl/400063/news.aspx

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.