Startup quer revolucionar internet móvel com nova tecnologia pCell

Por Redação | 13 de Março de 2014 às 22h53

Se você possui internet no celular, já deve ter percebido que o sinal nem sempre está bom e a velocidade nem sempre é aquela que você deseja. Muitas vezes isso é culpa da operadora, mas, de acordo com uma startup americana, a própria maneira como a internet móvel é concebida faz com que ela seja falha.

Da forma como funciona atualmente, a internet móvel (seja na tecnologia 2G, 3G ou 4G) funciona por meio de sinais vindos de grandes antenas. Elas precisam ser abrangentes o suficiente pra cobrir uma grande área, mas os seus sinais não podem se cruzar por causa de interferências. Assim, vários aparelhos se conectam a um sinal de internet, que precisa ser potente o suficiente para ser compartilhado pelo maior número possível de pessoas. Por conta dessas características, é comum que se perca sinal ao se locomover – isso acontece quando você está entre as áreas cobertas por várias antenas – ou então durante uma ocasião em que muitas pessoas estão conectadas ao mesmo tempo – a antena não suporta tantas conexões.

É nesse sentido que Steve Perlman, fundador da Artemis, pretende revolucionar o sinal de internet móvel. Junto de seu time de engenheiros, ele trabalha desde 2011 na tecnologia pCell, e promete com ela velocidades muito maiores ao que estamos acostumados.

A ideia da pCell é, ao contrário da internet móvel comum, espalhar uma massiva quantidade de pequenas antenas (as pWaves) que sejam capazes de promover o melhor serviço possível em uma pequena área. Assim, com a combinação de várias pWaves, o usuário das pCell pode criar sua própria rede pessoal de internet. Com isso, a Artemis estima que o sinal máximo de hoje seja o padrão da pCell, enquanto o sinal máximo da pCell poderia ser até 1.000 vezes mais rápido do que o que temos hoje.

pCell

Além de qualidade e velocidade maior do que o padrão atual, a nova tecnologia também promete economia de energia. Com antenas menores, se gastaria menos eletricidade para mantê-las em funcionamento, e os celulares também gastariam menos bateria tentando encontrar o sinal da internet - logo, duraria mais. Além disso, o investimento em infra-estrutura seria menor, já que não se precisaria erguer grandes torres de celular, e sim várias pequenas pWaves.

Do jeito como está sendo desenvolvida hoje, a tecnologia pCell também pretende ser compatível com todos os telefones disponíveis no mercado. No entanto, existe também a ideia de criar aparelhos nativos da pCell, que seriam ainda mais econômicos em energia.

A Artemis pretende lançar a pCell no quarto trimestre de 2014 na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos. Em uma demonstração, o CEO da empresa chegou a estimar que até o final de 2015 a tecnologia poderá estar disponível em todos os maiores mercados do mundo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.