Proteste lança campanha para mapear a (falta de) qualidade da rede 3G

Por Redação | 29 de Julho de 2013 às 16h10

A Proteste realizou testes com a rede 3G nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Sergipe, Paraíba, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande Sul, e obteve resultados decepcionantes. Com base nesses resultados, a associação iniciou uma nova campanha, intitulada 'Em busca do 3G perdido'.

O principal objetivo da campanha é fazer com que os brasileiros relatem suas experiências com a rede 3G através do site www.embuscado3gperdido.com.br. Os consumidores poderão relatar problemas de cobertura e da velocidade de conexão entregue, que muitas vezes não condiz com o que foi contratado pelo cliente.

Entre 4 de março e 25 de abril, os técnicos do Proteste percorreram os doze estados fazendo testes com a rede móvel da terceira geração e comprovaram que em muitos trechos as conexões com a internet móvel são precárias e, em muitos outros, até inexistentes. Os técnicos também constataram que a conexão em alta velocidade só existe nas grandes cidades e em regiões metropolitanas. Nas demais localidades a conexão, quando existe, é bastante lenta.

Os testes constataram que as quatro principais operadoras de telefonia móvel que operam no país (Claro, Oi, Vivo e TIM) cobrem apenas 51% do trecho percorrido, de cerca de cinco mil quilômetros, sendo que a região Sul do país é a com menos cobertura de qualquer tipo de sinal. No Sul, o cliente da TIM não conseguiu se conectar à rede em 80% das vezes, enquanto no Nordeste, com conexão da Vivo, os consumidores conseguiram acesso à internet móvel em 68% das vezes.

Segundo os dados do Proteste, a cobertura 3G da Claro foi a pior avaliada entre todas as operadoras. Em São Paulo, 62% das tentativas de acessar a rede não obtiveram sucesso e, em média, mais da metade das vezes que os consumidores tentam acessar a rede 3G da Claro encontram problemas ou não há conexão. A operadora também apresentou resultados pouco satisfatórios na região metropolitana de São Paulo e baixa taxa de downloads no Nordeste.

A Oi também obteve resultados baixos no Nordeste, com poucos pontos dos mais de dois mil quilômetros rodados na região com boa conexão à sua rede móvel. Salvador, Maceió, Recife, João Pessoa e Fortaleza apresentaram conexão média a 1Mb/s, e nas estradas a recepção do sinal é ruim. Algumas vezes nem há recepção, e quando ela existe também é lenta. Os técnicos não encontraram sinal da Oi na cidade de Sorocaba, no interior paulista, e nas estradas da região a situação também não foi das melhores.

Os resultados mostraram sinal fraco da TIM em Foz do Iguaçu, Florianópolis e no litoral paulista, e a conexão 3G da operadora também foi lenta em cidades como Belo Horizonte (MG), Paraty (RJ) e em Sorocaba e Campinas, no interior de São Paulo. A Vivo, por sua vez, ficou aquém do esperado na região Sul com taxas baixas de download e também nas estradas paulistas.

Nas medições, a Claro, pior avaliada, apresentou cobertura 3G de alta velocidade em apenas 33% das medições e nenhum sinal em 57%. A com melhor desempenho nas medições foi a Vivo, com 51% de cobertura de alta velocidade e 23% das medições sem sinal.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.