Lucro da TIM tem alta de 7,9% no final de 2013

Por Redação | 14.02.2014 às 14:27

Entre negociações sobre uma possível venda, a TIM Participações anunciou lucros com alta de 7,9% no último trimestre de 2013. No período, a operadora de telefonia acumulou R$ 498,9 milhões, um total motivado principalmente por um aumento no mercado de celulares pós-pagos e maior adesão dos usuários aos planos de acesso à internet móvel.

No total do ano, também há aumento. Nos doze meses de 2013, a TIM acumulou lucro de R$ 1,5 bilhão, uma alta de 3,9% em relação ao que foi registrado em 2012. Ambos os resultados estão acima do que era esperado por investidores e analistas como os ouvidos pela Reuters, que divulgou os números na imprensa.

Outro crescimento importante aconteceu no total de clientes, que aumentou 14,6% nos planos pós-pagos e 2,5% nos prés. Respectivamente, a TIM conta hoje com uma base de 12,3 milhões de usuários e 61,1 milhões, mostrando o sucesso de uma das principais prioridades para a atuação da companhia.

A TIM também comemorou o menor patamar histórico de inadimplência e o sucesso entre os clientes, que para a empresa, é fruto de uma busca por maior eficiência e qualidade de seus serviços. O sucesso dos smartphones em todo o mundo também foi sentido assim, motivando um aumento significativo nas receitas de dados, que registraram aumento de 21,5% ao longo de todo o ano.

A única queda, porém, foi na receita média por cliente, que atingiu R$ 19,20 e representa uma redução de 3,5% em relação ao quarto trimestre de 2012. A dívida bruta da operadora também subiu 13,7% para R$ 4,8 bilhões. A diretoria da TIM apresentou proposta de distribuição de R$ 843 milhões em dividendos, que pode ser aprovada em assembleia de acionistas marcada para abril.

O grande foco, agora, é a possibilidade de venda ao mesmo tempo em que os números são mantidos na alta. Como a Telefônica está ampliando seu controle gradativamente sobre a Telecom Italia, também responsável pela TIM, o Cade afirmou que a empresa teria que passar adiante sua participação na operadora ou, então, buscar um novo parceiro para operar a Vivo.