Internet 4G ainda não é uma boa opção em São Paulo

Por Redação | 11.11.2013 às 15:14 - atualizado em 11.11.2013 às 16:23
photo_camera PPL Ware

Uma reportagem feita pela Folha mostrou que a nova tecnologia de internet móvel ainda continua instável em 21 bairros da cidade de São Paulo.

Por mais que as operadoras estejam oferecendo mais aparelhos compatíveis com essa tecnologia e mais de 500 mil linhas tenham sido habilitadas, o 4G ainda não é uma boa opção para quem precisa de internet banda larga móvel.

Alguns bairros da cidade apresentaram oscilações de velocidade, com taxas de download e upload praticamente iguais às de uma internet 3G. Além disso, muitas falhas de cobertura têm sido observadas em certas áreas.

Samuel Rodrigues, consultor de telecomunicações da empresa de pesquisa IDC, explicou que a rede 4G está em fase de implementação, e por isso, ainda apresenta falhas. “A tendência é que o 4G melhore, por conta do investimento em infraestruturas pelas operadoras”, disse. O consultor ainda destaca que o 4G irá se tornar uma opção melhor que o 3G em relação ao custo. “Em termos de relação custo benefício, o 4G é muito superior ao 3G, já que a diferença entre a capacidade da rede e a velocidade alcançada é menor”.

De acordo com a matéria, as operadoras têm até o final deste ano para oferecer o 4G em pelo menos 50% da área de cada uma das cidades-sede da Copa de 2014. As operadoras Claro, TIM e Vivo afirmaram ter cumprido a meta na cidade de São Paulo. A Oi, no entanto, ainda não disponibilizou o 4G para a região.

As operadoras também comentaram sobre os resultados obtidos. A Vivo disse que, para melhorar o 4G na cidade, é necessário aumentar o número de antenas instaladas, mas que “legislações restritivas” dos municípios dificultam a tarefa.

A TIM admitiu que ocorre variação de sinal entre os bairros, mas disse que oferece soluções complementares, como conexões 3G e Wi-Fi, para “garantir uma boa experiência de banda larga móvel.”

Já a Claro afirmou que seu serviço de 4G cobre 80% da cidade, mas que sua rede ainda não está concluída e há “espaços a serem preenchidos”.