Entenda o que pode mudar com uma possível venda da TIM

Por Gabriel Tonobohn | 27.09.2013 às 10:45

No começo da semana, o grupo Telefónica fechou um acordo para aumentar sua fatia na Telco, holding que controla a Telecom Italia, no que poderia garantir à empresa ser a maior acionista da Telecom Italia.

A Telefónica é uma empresa espanhola, enquanto a Telecom Italia é obviamente de capital italiano. Ainda assim, o país mais afetado pela negociação seria definitivamente o Brasil. Isso porque a Telefónica controla as operações da Vivo, enquanto a Telecom Italia controla a TIM Brasil.

Como já explicamos aqui, o acordo deve passar por uma complexa análise antitruste no Brasil antes de ser aprovado. As regras do setor de telecomunicações no nosso país não permitem a um grupo ter o controle de duas empresas que atuam na mesma região.

Qual a solução?

A Telefónica tem algumas opções para solucionar esse problema, se realmente finalizar o acordo com a Telecom Italia.

Telefonica

A primeira e óbvia seria unificar as bases de clientes das duas empresas em um único espectro (em outras palavras, se tornariam uma operadora só). O problema dessa solução é que isso poderia representar uma grande queda na qualidade do serviço, já que a base de clientes que hoje usa faixas de duas operadoras seria "afunilada" na frequência de apenas uma. Sendo assim, seria muito difícil que o governo federal aprovasse a negociação nesses termos.

Outra possível solução seria a venda da TIM Brasil para outra empresa. Ela poderia ser desmembrada e vendida em partes para Claro, Oi e até a própria Vivo. A venda da TIM Brasil seria benéfica para as três operadoras, o que poderia elevar a rentabilidade de seus serviços e trazer melhorias na qualidade e infraestrutura.

GVT e Vodafone entram na história

Existe uma terceira saída, que pode causar uma mudança bem mais radical no mercado de Telecom no Brasil: a compra da TIM e da GVT, juntas, para alguma nova operadora começar a atuar no país.

Os rumores de que a GVT estaria a venda já circulam há cerca de um ano. Contudo, o grupo francês Vivendi, que comprou em 2009 a até então nacional GVT, não conseguiu uma oferta próxima dos € 7 bilhões que gostariam para fechar negócio.

A GVT possui serviços de TV, internet e telefone fixo no Brasil, mas não atua como operadora móvel – um mercado bastante fechado e difícil de entrar para competir com as quatro grandes. Mas unificando os serviços de TIM e GVT, bem como sua base de clientes, uma nova operadora poderia começar suas operações no Brasil já como uma gigante. E a maior candidata é a britânica Vodafone.

Vodafone

A Vodafone já teve outras oportunidades de investir em grandes operações no Brasil. Os britânicos foram sondados pela Anatel em leilões de faixas de frequência, mas a empresa nunca se interessou no passado. Contudo, recentemente, a Vodafone fechou uma das maiores negociações da história, com a venda da sua participação da Verizon Wireless para a operadora americana Verizon, pelo valor de impressionantes US$ 130 bilhões.

Com dinheiro sobrando caixa, os rumores são de que a empresa pode oferecer cerca de US$ 20 bilhões por TIM e GVT – 10 bilhões por cada uma. Essa ideia certamente agrada ao governo federal, que há tempos gostaria de ver uma nova concorrente no mercado de telecom brasileiro, com a esperança de que a qualidade dos serviços melhorasse.

Seja qual for o caminho tomado, a verdade é que muito provavelmente o setor de telecomunicações no Brasil está prestes a sofrer grandes mudanças. Resta saber quais serão.