Anatel cobra transparência das operadoras sobre mudanças na velocidade reduzida

Por Redação | 24 de Outubro de 2014 às 10h15

Um dos assuntos mais comentados nesta semana nos sites de tecnologia é o fim da velocidade reduzida nos planos de internet móvel no Brasil. Na prática, significa que as operadoras poderão cortar o acesso à web do usuário toda vez que for atingido o limite da franquia de dados contratada e, caso o cliente queira continuar navegando, terá que pagar um valor adicional.

Para que tudo fique claro ao consumidor, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) cobrará mais transparência das empresas na hora de fazer as alterações. De acordo com o presidente da agência, João Rezende, as companhias foram convocadas para dar mais explicações. Rezende destacou que a prioridade é alertar os clientes sobre as mudanças. "Temos que observar o regulamento de defesa do consumidor e olhar claramente a questão da transparência. Todas as empresas deverão ter um sistema para avisar o usuário", disse. As informações são da Agência Brasil.

Por enquanto, a Vivo foi a única operadora que confirmou a adoção das novas medidas. A partir do dia 6 de novembro, as regras começam a valer inicialmente para consumidores do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais, com possibilidade de ser estendida para outras regiões nos próximos meses. Rodrigo Zerbone, diretor da Anatel, revelou que a Vivo já informou a agência sobre a mudança para evitar ser multada. "O que exigimos é que o cliente seja informado, mesmo que a alteração já esteja prevista no contrato", disse.

No caso da Vivo, um dos pacotes pré-pagos mais atuais dá direito a franquia de 75 MB por semana a um custo de R$ 6,90. Se o usuário utilizar todos os dados antes do fim do prazo, o preço adicional a ser pago será de R$ 2,99 por mais 50 MB, com validade de até sete dias. Se atingir o limite novamente, o cliente poderá contratar mais 50 MB pelos mesmos R$ 2,99.

As regras são válidas?

Conforme divulgou em nota na última quarta-feira (22), a Anatel destacou que as leis do setor permitem às entidades adotar vários tipos de franquias e de cobrança. Contudo, qualquer alteração em planos de serviços e ofertas deve ser comunicada ao usuário, pela prestadora, com antecedência mínima de 30 dias, segundo o Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações.

A Associação de Consumidores PROTESTE criticou as novas regras sob a justificativa de que elas ferem diretamente o direito do consumidor, que assumiu um contrato anterior que garantia a continuidade do serviço, mesmo com o cliente navegando a uma velocidade reduzida após gastar todo o limite da franquia de dados. A entidade afirma que os usuários não são obrigados a aceitar as alterações, uma vez que o próprio Código de Defesa do Consumidor proíbe mudanças unilaterais de contrato.

Até o momento, apenas clientes da Vivo serão atingidos pelas novas medidas. TIM e Oi se limitaram a comentar que alterações dessa natureza representam um movimento natural, mas que modificar o hábito de consumo dos usuários pode afetar a experiência como um todo, gerando uma percepção negativa. A Claro ainda não manifestou sua opinião, mas informou que seus usuários, após o encerramento da franquia, podem escolher entre contratar pacotes adicionais ou navegar com velocidade reduzida.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.